Cine HTE: A gangue está em campo

Como o esporte pode ser utilizado na ressocialização de jovens que cresceram com uma realidade difícil, cheia de violência, brigas de gangues e prisão precoce? Esse é o tema de “A Gangue está em campo” (Gridiron Gang, 2006). Nessa película baseada em fatos reais, Dwayne “The Rock” Johnson vive Sean Porter, um administrador prisional de jovens e decide, por meio do futebol americano, tentar mudar o rumo previsível de quem logo cedo começa a frequentar esses lugares.
Quando começa a montar o time, Sean Porter dá o recado mais verdadeiro possível: “Vocês estão aqui porque são perdedores.”. Perdedores não no jogo, mas na vida. Estatísticas mostram que quem vive em ambientes cercado de gangues, tráfico de drogas e todo tipo de violência tem dois caminhos: Ou morre ou vai preso. E, para quem está em uma unidade prisional, a chance de ressocialização beira os 0%. Parafraseando um velho ditado que diz “Mente vazia é a casa do capeta”, Porter usa o esporte para mostrar aos jovens uma realidade diferença, uma realidade em que é possível viver sem o ódio, que se pode viver respeitando a pessoa que mora em uma rua diferente.
Outro tema importante que o filme toca é o perdão. Sean Porter é um homem que vive em um conflito interno muito forte de desavenças antigas com seu pai. Seu principal jogador, o running back Willie Weathers, vive o mesmo conflito. Willie, preso por assassinar seu padrasto enquanto o mesmo espancava sua mãe, cresceu acreditando nas palavras de seu padrasto. Viveu como se sua vida fosse perda de tempo. Com o esporte, foi percebendo que poderia ser vencedor. Porém, teve dificuldades de aceitar e acreditar que poderia vencer. Nesse momento, Sean diz: “Meu pai era a mesma coisa. Ele gastou tanto tempo dizendo que eu não era bom, que eu não era nada, e eu acreditava nele. Você chega ao ponto que acha que irá estragar tudo. Você espera falhar. Se queremos ganhar, temos que esquecer isso. Perdoa-los e seguir em frente. Se não daremos a eles muito poder sobre nós”. Porter, nessa fala, mostra o quanto às mágoas e a raiva podem nos segurar. O quanto esse tipo de sentimento pode nos deixar aquém de quem podemos ser, do que podemos fazer. E a decisão é de cada um. Guardar rancor não pune ninguém, exceto quem está com esse sentimento, pois não deixa trazer o seu melhor à tona. Essa, dentre tantas lições que o filme traz, é o ensinamento principal.
Em suma, “A gangue está em campo” é um filme que para ser assistido e refletido, além dos fãs de futebol americano, nas escolas, pelos administradores prisionais e por aqueles que guardam algum tipo de ressentimento.  É um filme para ver, parar e repensar algumas atitudes.
Ficha Técnica
Título Original: Gridiron Gang
Gênero: Drama
Tempo de duração: 120 min
Ano de lançamento (EUA): 2006
Estúdio: Columbia Pictures
Distribuição: Universal Pictures (Brasil)
Direção: Phil Joanou
Roteiro: Jeff Maguire
Produção: Lee Stanley, Neil Moritz
OBS: A seção Cine HTE não tem a pretensão de fazer uma crítica em si dos filmes, mas relatar e refletir sobre os ensinamentos que são abordados na história, seja baseada em fatos reais ou mera ficção.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: