Cine HTE: Somos Marshall

“Em tempos de crise, tire o S e crie”. Depois das últimas crises econômicas que assolaram o Brasil e o mundo, essa frase foi bem difundida no setor de negócios. Platão, um dos mais importantes filósofos da história da humanidade, dizia que a necessidade é a mãe da criatividade. Em qualquer dificuldade, buscamos soluções, primeiro no que nos é usual e, depois, se não der certo, temos duas opções: Desistir ou inovar. E para refletir um pouco sobre a criatividade vamos comentar com o filme Somos Marshall (We are Marshall;2006).
Esse filme conta a história real vivida pela universidade Marshall na virada da década de 60 para 70, no estado da Virginia nos EUA. Após uma partida fora de casa, o vôo que levava os integrantes do time de futebol americano, comissão técnica e alguns torcedores, sofreu um acidente, vitimando todos os passageiros. Uma tragédia que assolou a cidade inteira, com a perda de filhos, pais, e demais entes queridos. E o natural ocorreu. Diante do luto, a diretoria da universidade, liderada pelo reitor Don Dedmon, discute a paralisação do programa de futebol americano.
De acordo com o roteiro do filme, Dedmon é convencido pelos poucos jogadores remanescentes, como Nate Ruffin, que não na fatídica viagem por conta de uma lesão, e uma manifestação do povo da cidade a continuar o programa. A crise é enorme, já que não ele não tem por onde recomeçar a montar a equipe, pela falta de uma comissão técnica e pela regulamentação da NCAA (órgão que regulamenta as competições universitárias) que não permitia de calouros entrassem em campo. Dedmon então começa procurando um novo técnico do jeito tradicional. Chama o coordenador ofensivo Red Dawson para assumir, que não aceita o cargo por ainda estar de luto, consulta ex-alunos e atletas da universidade, sem sucesso. Nesse momento aparece a oportunidade que ele precisava, quando Jack Lyngel, interpretado por Matthew McConaughey, treinador de futebol americano de escolas, oferece-se para o cargo. E é Lyngel  que passa a dar a lição de vencer a crise em momento com criatividade.
Marshall não tem, nesse momento, nenhum atrativo para jovens promissores de escolas universitárias. Somente a bolsa de estudos não é capaz de chamar a atenção de quem ainda sonha com a profissionalização. Os melhores buscam escolas com programas já consolidados, onde desenvolveram melhor seu jogo. Por isso, Lyngel insiste com Dedmon que precisa da autorização da NCAA para utilizar calouros na temporada. Para isso, o reitor liga e manda insistentes cartas solicitando a autorização, todas sem resultado. Quando quase estava desistindo, Lyngel fala que ele tem que fazer diferente, sair da zona de conforto e ir pessoalmente a sede da entidade fazer a solicitação. Quando Dedmon o faz, ele conquista a autorização. Para vencer a crise, Dedmon teve que inovar seu jeito de ser, teve que se arriscar e criar uma nova solução.
Outra lição de criatividade foi durante o recrutamento. Sem conseguir competir com as principais universidades, Lyngel e Dawson, que aceitara ser coordenador ofensivo por um ano para auxiliar na reconstrução do programa, tiveram novamente de inovar e criar. Não adiantava buscar os melhores nas escolas, do jeito tradicional. Precisavam buscar jogadores onde os demais não estariam. Pensar em como utilizariam os talentos diversos na construção de um novo time. E foram buscar em times de basquete, baseball, soccer jovens que gostariam de abraçar essa oportunidade.
Não, essa não é a história de um milagre, em que um time sem condições nenhuma torna-se campeão. A Manada Trovejante, apelido da equipe de Marshall, só venceria em duas ocasiões na temporada, mas iniciava o processo de reconstrução do programa da cidade e de superação de uma grave tragédia. Jack Lyngel ficou no cargo de treinador principal até 74, com apenas 9 vitórias no CV. Mas sua maior conquista foi de ter, através de sua criatividade, conseguido recuperar o orgulho dos moradores da região.
Abert Einstein disso uma vez: “Algo é só impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário”. Nos momentos de crise, sempre temos o sentimento que é impossível superar. Dedmon se viu nessa situação. Com criatividade e inovação, Jack Lyngel o auxiliou a fazer o que parecia impossível tornar-se possível.
Ficha Técnica
Título Original: We are Marshall
Tempo de duração: 131 min
Ano de lançamento: 2006
Direção: Joseph McGinty Nichol (McG)
Roteiro:  Jamie Linden , Cory Helms
OBS: Cine HTE não tem a pretensão de fazer uma crítica em si dos filmes, mas relatar e refletir sobre os ensinamentos que são abordados na história, seja baseado em fatos reais ou mera ficção.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: