Entrevista com Fabiana Beltrame

O HTE Sports dá nesse momento o início a sua cobertura olímpica para os grandes eventos que estão a caminho. Faremos série de reportagens e buscaremos entrevistas, além de nossa usual cobertura via Twitter e Facebook. Nosso pontapé inicial já é com um nome importantíssimo. A Campeã Mundial de Remo, Fabiana Beltrame. Ela bateu um papo conosco falando das principais expectativas dela para as principais competições que ela está para participar.

Primeiramente, gostaríamos de saber como estão as expectativas e ansiedade para o início do Pan, do mundial e das Olimpíadas.

As expectativas são as melhores possíveis, por que estou treinando muito e fazendo os melhores tempos da minha carreira. Estou muito focada nas competições desse ano, o pan e o mundial, por que, como ainda estou sem parceira, vou competir no individual. Já para os Jogos Olímpicos, vamos tentar classificar no pré-olímpico em novembro, até lá, espero que as meninas que estão treinando na seleção comigo, já estejam melhor para podermos formar o barco.

Como é a sensação de ser a melhor do mundo no que faz?

É uma sensação inexplicável. Quando fui campeã mundial, passou um filme da minha vida, de todos os treinamentos duros, da rotina árdua e momentos como esse, fazem tudo valer a pena, cada gota de suor faz sentido.

No Pan-americano existe a categoria que te consagrou campeã mundial, o skiff single de peso leve, e isso te torna favorita ao ouro. Como é a pressão e como está sendo toda essa preparação? 

Acho que a maior pressão é a minha mesmo. Claro que todos apostam muito nessa medalha, mas a minha cobrança supera tudo. Principalmente por causa da prata que conquistei no Pan de 2011, depois do título mundial. Meu foco está totalmente voltado pra isso. É impossível prever o resultado, mas estou dando meu melhor nos treinos pra conquistar essa medalha.

Já nas Olimpíadas, em peso leve temos apenas o double skiff, e para isso é necessário uma parceira que possa competir junto contigo. A Beatriz Cardoso deve mesmo ser sua parceira? O ouro olímpico virá nessa categoria? 

A Beatriz está com bastante dificuldade de chegar ao peso novamente. Nas duas seletivas nacionais que tivemos esse ano, ela competiu como pesada, então não sei se ela realmente vai conseguir voltar pra categoria. Mas existem outras meninas treinando com a seleção, que tem potencial e vontade, estão treinando forte e evoluindo bastante, minha esperança é que alguma dessas seja a minha parceira, mas ainda não dá pra falar em medalhas.

Há poucos dias você bateu seu recorde pessoal na lagoa Rodrigo de Freitas. Isso é mais um indício de que você vem muito forte para todas as competições que disputará? Como está sua confiança? 

Estou me sentindo muito confiante, mas não quero que isso atrapalhe o meu rendimento. Só posso saber como realmente estou, quando competir lá fora, por que os tempos no remo, são muito relativos, por conta do vento e da água. Semana que vem estamos indo para a Copa do Mundo de Bled, e vou colocar todo o treinamento a prova. Mas posso afirmar que nunca me senti tão bem, tanto fisicamente, quanto tecnicamente, e isso, graças ao técnico Júlio Soares, que faz um treinamento todo específico pra mim.

Mas também muito tem se falado sobre a situação da Lagoa Rodrigo de Freitas. Em quais condições você acredita que ela será entregue para a disputa dos Jogos? 

Estamos todos preocupados com vários aspectos, a estrutura da raia, a estrutura externa, para receber os atletas, a poluição da água e uma possível mortandade de peixes, como a que aconteceu recentemente. As obras demoraram muito pra começar e o evento teste já é em agosto, não sabemos se vai estar tudo pronto para ser testado. Acredito que até os Jogos, as estruturas vão ficar prontas, mas são, em sua maioria, benfeitorias temporárias, que depois vão ser retiradas, ficando pouco ou nenhum legado para o esporte.

Quando se fala em esporte no Brasil se pensa muito em futebol ou vôlei. O que falta para que outros esportes dividam mais espaço com esses? Pode se dizer que isso é de total responsabilidade dos nossos políticos? 

É muito cultural, cada país tem seu ou seus esportes favoritos, mas isso não quer dizer que os outros tenham que ser esquecidos, tem espaço pra todos e o investimento tem que ser feito em todos. Nos Estados Unidos, por exemplo, eles são apaixonados por futebol americano, mas todos os outros esportes recebem um forte investimento, o que os tornam a potência que conhecemos. Aqui, o esporte tem que ser massificado, nas escolas e universidades. As pessoas tem que conhecer as modalidades, pra poder gostar e praticar.

Você acredita que as Olimpíadas podem deixar um legado melhor que o deixado pela Copa do Mundo em nosso país? Temos estrutura mesmo para sediar eventos desse porte? 

De uma forma geral, acho que vai ficar alguma coisa, principalmente de estrutura pra cidade, mas falando no caso específico do remo, pouca coisa vai mudar. A maioria das estruturas instaladas, vão ser provisórias e portanto, serão retiradas quando os jogos terminarem. É uma pena, estamos perdendo a oportunidade única oportunidade de ficar com uma estrutura para o remo.

Hoje você é atleta do Vasco da Gama. A estrutura dada pelos clubes no Brasil são suficiente para que os atletas possam atingir seu máximo desempenho? 

O papel dos clubes é muito importante na formação e manutenção de atletas, acho que eles são até sobrecarregados, por que as confederações deveriam ajudar mais com essa questão, já que esses atletas vão representar o país também. Os clubes tem uma boa estrutura, e sempre procuram melhorar, mas os equipamentos do remo são importados e caros, o que dificulta a renovação do material.

Você participou por bastante tempo do site Donas da Bola. Como você encara o jornalismo esportivo? Quando se aposentar das competições, pretende seguir escrevendo sobre o Remo? O HTE Sports estaria de portas abertas para você, risos. 

Opa, gostei da ideia, rs. Foi uma época muito legal, principalmente por estar escrevendo sobre algo que adoro, que é o esporte e mais especificamente o remo. Ainda não tinha pensado em seguir por esse caminho, mas é bom manter várias opções.

Como considerações finais gostaria que você mandasse um recado para todos os torcedores brasileiros e o que eles podem esperar de Fabiana Beltrame nesse futuro próximo.

Gostaria de agradecer todo o carinho que recebo dos torcedores, que sempre me tratam com muito carinho, por que com certeza, isso faz a diferença na motivação. Podem ter certeza que estou treinando muito e dando o meu máximo, pra conseguir ótimos resultados nesse ano e no ano que vem. Continuem torcendo!! Beijão.

A equipe do HTE Sports agradece a grande Fabiana Beltrame pela honra de nos conceder essa entrevista e lhe deseja toda sorte do mundo para o Mundial, o Pan-Americano e os jogos Olímpicos de 2016. A cobertura de todos esses jogos vocês com certeza acompanharão aqui conosco!
%d blogueiros gostam disto: