Cine HTE: O Grande Dragão Branco

A psicologia social moderna levanta cada vez mais estudos sobre o grau de concentração que cada pessoa tem na atividade que está desenvolvendo no momento. A cada dia que passa, cada vez mais são disponibilizadas pelas empresas de tecnologia novos meios de distração. Smartphones, relógios com conexão para internet entre outros itens estão entre os principais. Dessa maneira, perdemos o foco em nossa próxima atividade. Uma das maneiras de obter esse foco novamente é a prática de meditação, explorada no filme O Grande Dragão Branco (BloodSport, 1988).

Na trama temos Frank Dux (Jean Claude Van Damme), um lutador norte-americano. Descoberto por Senzo Tanaka (Roy Chiao), um mestre japonês de ninjutsu, que passa a treinar no lugar do filho de seu mentor, Shingo, que já morreu. Para honrar sua memória, Frank decide ir até Hong Kong para lutar no Kumite, um torneio ilegal de artes marciais que reúne os melhores nomes da luta em batalhas sangrentas que podem até resultar na morte e alguns participantes.

Na preparação de Dux, temos um treinamento que não consiste apenas em técnicas de golpes e defesa, mas no controle da mente também. Bem no começo do filme, vemos cenas em que o shidoshi mostra vários meios de concentração e meditação, para que Dux dominasse tanto o corpo, como a mente.

A prática de meditação tem uma grande tradição na cultura oriental, principalmente no Japão, China e Índia. Tal tradição ficou caracterizada pelo mestre ser de raiz japonesa, segundo o filme. No começo do século XX, na Índia houve um grande mestre nessa pratica, conhecido como Osho. Segundo ele, “A meditação é uma maneira de ir para dentro de si mesmo,
de perceber que você não é o corpo e você não é a mente. É um modo de fixar em nós mesmos, no mais profundo centro do nosso ser; e uma vez que você encontrou o seu centro,
você terá encontrado tanto suas raízes quanto suas asas”.

Osho coloca que temos como dominar o que sentimos no corpo e os nossos pensamentos. Os treinamentos de Frank Duz, vemos ele trabalhando em atividades rotineiras, como colocar um café na mesa, de olhos completamente vendados, para que controlasse sua movimentação utilizando todos os sentidos do corpo, não somente a visão. Também é exibido o treinamento em que seu corpo é completamente esticado, para que ele domine a dor.

Todo esse treinamento foi utilizado por Dux no toneio Kumite mesmo antes do comitê. Antes da primeira luta, ele está sem seu quarto praticando quando se novo amigo Ray Jackson adentra o dormitório para chamá-lo. Vemos nesse momento a concentração no exercício em si que Dux está praticando, não deixando as distrações exteriores, no caso as palavras de Jackson, influenciar no trabalho de meditação, mostrando controle total com sua atividade do momento.

Distrações como essa aparecem o tempo todo em nossas vidas. Em qualquer atividade que fazemos, temos à nossa volta barulhos de conversas alheias, sons das cidades como buzinas, máquinas trabalhando, e também agora os smartphones em nossas mãos, que nos conectam com tudo, mas nos distanciam do momento que estamos vivendo. Práticas de meditação, como as exercidas por Dux durante o período da competição trazem para uma paz interna e um poder de concentração maior nas atividades do dia-a-dia.

Na luta final, temos mais uma vez um exemplo do poder da meditação treinada por Dux. Após dominar o princípio da luta, seu adversário joga um pó de remédio em seus olhos, fazendo com que Dux fique sem a visão por um tempo. A concentração nesse momento falha, ele leva sérios golpes até o momento em que ele resolve meditar dentro da própria luta, voltando-se para si, fechando sua mente para a atividade. Isso lhe permitiu aguçar os demais sentidos e retomar o controle do que estava ocorrendo a sua volta.

Pense em quantas coisas tiram sua mente do que você está fazendo agora. Aposto que você que gastou uns cinco minutos nesse texto certamente viajou em algum momento para alguma lembrança ou alguma preocupação sobre algo que tem ainda de fazer. As várias práticas de meditação que existem podem auxiliar que você tenha uma concentração melhor no momento. Concentrando todos os esforços do corpo e da mente em um único objetivo, os resultados de qualquer atividade que você faça certamente serão melhores.

Ficha Técnica

Título Original: BloodSport
Tempo de duração: 92 min
Ano de lançamento: 1988
Direção: Newt Arnold
Roteiro: Sheldon Lettich

OBS: A seção Cine HTE não tem a pretensão de fazer uma crítica em si dos filmes, mas relatar e refletir sobre os ensinamentos que são abordados na história, seja baseado em fatos reais ou mera ficção.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: