Globosat interessada na NFL. Bom ou Ruim?

O interesse pelo Futebol Americano e a NFL cresce no Brasil a cada dia. O país já é o terceiro maior mercado da liga. A cada dia as chances de uma partida, especificamente o Pro Bowl, ser realizado em terras tupiniquins aumenta. A cada temporada o número de aficionados só cresce. Aí sai a notícia que uma rede de televisão, líder de audiência em todo país, está interessada nos direitos e todos ficam felizes? Errado, todos se revoltam. A revolta acontece pelo fato de qual emissora está interessada. Nada menos que a Globosat, dona da Globo na TV aberta e canais SporTV na fechada.

A Rede Globo de televisão apesar de ter a mais alta audiência, tem também a mais alta rejeição do público bipolar brasileiro. Aqui ou amamos ou odiamos algo, em quase todas as matérias não há meio termo. E quem não gosta da TV do Plin Plin têm suas razões para tal. Ano após ano a Fórmula 1 tem tido cada vez menos espaço e com transmissões e convidados especiais cada vez mais questionáveis. A tentativa de colocar o UFC na TV Aberta foi um fiasco total, com gafes gigantescas, que incluíam transmissões ao vivo das lutas depois do término do evento. Nem a NBA, que tem ficado somente na SporTV, escapou das críticas do público, por conta da falta de qualidade dos comentaristas, segundo opinião geral. Isso sem falar ainda nos nomes inventados para os ginásios, uma vez que a toda poderosa se recusa a dizer o nome verdadeiro por ser de uma empresa sem patrocínio à emissora.

Todas essas questões fizeram a maioria do público que acompanha a NFL se revoltar com a notícia. E não tenho como tirar-lhes a razão, dado tudo que comentei acima. Eu praticamente já aboli a televisão aberta da minha vida. Só coloco lá praticamente nos jogos do Brasileirão exclusivos da emissora, e normalmente sem volume, já que não gosto dos narradores e comentaristas da emissora. Faço o mesmo com a concorrente de TV aberta.

Agora, por que raios a Globosat veio se interessar pela NFL? Em minha opinião, há duas razões claras. A primeira é a audiência cada vez maior que a liga vem tendo nas concorrentes, e não há dúvida nisso. A outra, para quem gosta de uma boa conspiração, atende pelo nome de Esporte Interativo. Em uma entrevista no meio do ano passado do João Paulino (me fugiu agora o site), editor-chefe dos canais ESPN, ele disse que os novos canais como FOX e EI, por terem o chamado “pai rico” estão inflacionando o mercado de direitos de transmissão dos principais eventos do mundo. E esses canais precisam da Globo, já que as principais empresas de fornecimento de TV por assinatura são do grupo Globosat (NET e SKY). A Fox, há dois ou três anos se não me engano, tinha direito de exclusividade sobre a Copa Libertadores, mas não tinha ainda um canal nas duas empresas citadas. Somente depois que liberou uma cota de jogos para a SporTV que pode colocar seu canal na grade de programação.

Há muito tempo também se reivindica a entrada do Esporte Interativo nas grades da NET e SKY. Essa semana o canal finalmente entrou, lembrando que eles são os detentores da exclusividade transmissão da UEFA Champions League. Ou seja, é bem provável que nas próximas temporadas, a SporTV tenha a UCL e a NFL em sua programação. Tenho certeza que a entrada da EI nas operadoras citadas teve seu preço e essas competições devem ter entrado no bolo.

Mas não creio que o canal aberto da Rede Globo entre nessa jogada. Não vejo o Fantástico dando lugar para o Super Bowl na programação do canal. Nem as novelas noturnas para os MNF ou SNF. As quatro horas de transmissão de um jogo são quase que proibitivas para um canal aberto.

Se nessa negociação vierem jogos diferentes que ocorrem nos domingos, acho legal a vinda de mais um canal. Uma opção a mais sempre é bem vinda. O que a Globo não pode é desrespeitar a audiência, colocando gente que não conhece nada do esporte para narrar ou comentar, não falar corretamente os nomes dos estádios. E também, se realmente tiver os direitos de alguns jogos, que os transmitam de fato. As gafes do UFC e a falta de conhecimento demonstrada na NBA ficarão muito ridículas na transmissão de um esporte tão complexo como a NFL. Hoje, no quadro de transmissões, acho que somente o Rob Porto, por já ter sido narrador da ESPN, com experiência na NFL.

Infelizmente, a Rede Globo dita as regras. Mesmo que não tenha os direitos de transmissão, consegue influenciar as negociações ao seu favor. Consegue manipular o mercado para o que mais lhe interessa, que nem sempre vai de encontro com os interesses dos torcedores. Quem perde com isso, é o fã dos esportes.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: