Rugby Internacional: Resultados da segunda rodada do Six Nations 2016 #SN2016

A exemplo do feminino, as seleções também tiveram poucos dias de descanso para a segunda rodada do SN2016 e, quem se beneficiou disto foram as seleções de Gales, França e Inglaterra, que continuam no páreo para o troféu:

Em um jogo morno e sonolento, França triunfa sobre os atuais campeões

Com a derrota para a França, a Irlanda tem poucas chances de conquistar o SN2016 pela terceira vez em três anos. Mas a derrota foi mais que merecida: o jogo não encaixou de jeito algum, os fundamentos não fluíram, nenhum irlandês se destacou ou mostrou que queria vencer e foram castigados com um try de Maxime Medard e conversão de Jules Plisson, já no segundo tempo, assegurando a segunda vitória seguida no comando de Guy Novès.

Para completar o pesadelo, houve algumas baixas significativas por lesão com Mike McCarthy, Dave Kearney e Sean O’Brien. A Irlanda ainda não conseguiu se acertar com as mudanças forçadas que teve de fazer desde que o capitão centurião Paul O’Connell se aposentou da seleção. Rory Best, um bom hooker e com liderança, está assumindo mas ainda não conseguiu levar a Irlanda ao triunfo em uma partida de peso. Empatou na Semana 1 com Gales e perdeu para França.

Do lado francês, tudo azul. O técnico Guy Novès está colocando a imprevisível seleção nos eixos, mas esta última partida foi muito ruim tecnicamente e o que os salvou foi o brilhantismo individual francês. Esperamos que a nossa tão amada Irlanda encontre o caminho e que a França se estabeleça no futuro.

França 10 – 9 Irlanda

Placar de Intervalo: 3 – 9

Data: 13 de fevereiro de 2016, 15:25 local, 13:25 Brasília
Estádio: Stade de France, Paris

Público: 78.000
Tries: Medard                  Tries: —
Cons: Plisson                   Cons: —
Pens: Plisson                   Pens: Sexton 3

França: 15Maxime Medard, 14Teddy Thomas, 13Maxime Mermoz, 12Jonathan Danty, 11Virimi Vakatawa, 10Jules Plisson, 9Sebastien Bezy, 1Jefferson Poirot, 2Guilhem Guirado(C), 3Uini Atonio, 4Alexandre Flanquart, 5Yoann Maestri, 6Wenceslas Lauret, 7Yacouba Camara, 8Damien Chouly;

Reservas: 16Camille Chat, 17Rabah Slimani, 18Eddy Ben Arous, 19Paul Jedrasiak, 20Loann Goujon, 21Maxime Machenaud, 22Jean-Marc Doussain, 23Hugo Bonneval.

Irlanda: 15Rob Kearney, 14Andrew Trimble, 13Jared Payne, 12Robbie Henshaw, 11Dave Kearney, 10Johnny Sexton, 9Conor Murray, 1Jack McGrath, 2Rory Best, 3Nathan White, 4Mike McCarthy, 5Devin Toner, 6CJ Stander, 7Sean O’Brien, 8Jamie Heaslip.

Reservas: 16Richardt Strauss, 17James Cronin, 18Tadhg Furlong, 19Donnacha Ryan, 20Tommy O’Donnell, 21Eoin Reddan, 22Ian Madigan, 23Fergus McFadden.

Com direito a hat-trick de Jonathan Joseph, Inglaterra não toma conhecimento da limitada Itália

Parece que as coisas estão finalmente se encaminhando bem para o técnico Eddie Jones. Jones deu uma injeção de ânimo numa desacreditada Inglaterra, que passou vergonha na RWC2015. Agora a Inglaterra deu a volta por cima, venceu o primeiro confronto, fez um jogo-treino no segundo e está caminhando para uma disputa “nas cabeças” com a França pelo Six Nations e Grand Slam.

Com um hat-trick de Jonathan Joseph, além de tries dos “dois aberturas” titulares, Farrell e Ford, a Inglaterra fez um segundo tempo muito seguro, sólido e o banco deu o fôlego que eles precisavam, após a Itália lutar duramente e terminar o primeiro tempo somente com 2 pontos atrás no placar.

Mesmo com a presença de Carlo Canna, a Itália continua pecando muito na parte estrutural, por questões políticas e de investimento na base (seis jogadores são naturalizados) e ainda tem sofrido com pressões externas para ter sua vaga no Six Nations revogada para que uma seleção do Segundo Escalão do rugby mundial assuma(Geórgia é o principal candidato, após a performance memorável na RWC2015 e nos resultados que tem obtido ao longo dos anos).

Itália: 15Luke McLean, 14Leonardo Sarto, 13Michele Campagnaro, 12Gonzalo Garcia, 11Mattia Bellini, 10Carlo Canna, 9Edoardo Gori, 1Andrea Lovotti, 2Ornel Gega, 3Lorenzo Cittadini, 4George Fabio Biagi, 5Marco Fuser, 6Francesco Minto, 7Alessandro Zanni, 8Sergio Parisse(C);

Reservas: 16Davide Giazzon, 17Matteo Zanusso, 18Martin Castrogiovanni, 19Valerio Bernabo, 20Braam Steyn, 21Guglielmo Palazzani, 22Edoardo Padovani, 23Andrea Pratichetti.

Inglaterra: 15Mike Brown, 14Anthony Watson,13Jonathan Joseph, 12Owen Farrell, 11Jack Nowell, 10George Ford, 9Ben Youngs, 1Mako Vunipola, 2Dylan Hartley (C), 3Dan Cole, 4Courtney Lawes, 5George Kruis, 6Chris Robshaw, 7James Haskell, 8Billy Vunipola;
Reservas: 16Jamie George, 17Joe Marler, 18Paul Hill, 19Joe Launchbury, 20Maro Itoje, 21Jack Clifford, 22Danny Care, 23Alex Goode.

Itália 9 – 40 Inglaterra

Half-time: 9 – 11

Data: 14 de fevereiro de 2016, 15:00 local, 13:00 Brasília
Estádio: Olimpico Stadium, Rome
Público: 70.000

Tries: —                      Tries: Farrell, Ford, Joseph 3
Cons: —                      Cons: Farrell 3
Pens: Canna 3           Pens: Farrell 2, Ford

Escócia cai de pé para Gales

No jogo mais disputado do fim de semana, uma ótima performance escocesa não foi o suficiente frente um País de Gales cirúrgico, que não desperdiçou nenhuma oportunidade. Com atuações memoráveis de Jamie Roberts e George North, que foram contemplados com um try cada fez o jogo virar e trazer a vitória para Gales pela primeira vez neste SN2016. Mesmo com a saída de Dan Biggar na partida contra a Irlanda, onde empatou(veja aqui), por lesão, o abertura foi titular e brilhou, convertendo todos os tries e anotando dois penais.

Mas a vitória não veio fácil e no primeiro tempo Gales viu uma derrota amarga, onde Tommy Seymour marcou um try e Greig Laidlaw anotou dois penais para irem ao vestiário com a vantagem. Não sabemos o que Warren Gatland falou no vestiário, mas o Gales do segundo tempo foi uma coisa linda de se ver. Dezessete pontos feitos, com tries de George North e Jamie Roberts, 10 sofridos e a vitória em casa. A última vez que a Escócia foi a Cardiff, voltou pra casa com 51 pontos nas costas e o recorde de maior derrota em solo galês.

País de Gales: 15Liam Williams, 14George North, 13Jonathan Davies, 12Jamie Roberts, 11Tom James, 10Dan Biggar, 9Gareth Davies, 1Rob Evans, 2Scott Baldwin, 3Samson Lee, 4Luke Charteris, 5Alun Wyn Jones, 6Sam Warburton, 7Justin Tipuric, 8Taulupe Faletau;

Reservas: 16Ken Owens, 17Gethin Jenkins, 18Tomas Francis, 19Bradley Davies, 20Dan Lydiate, 21Lloyd Williams, 22Rhys Priestland, 23Gareth Anscombe.

Escócia: 15Stuart Hogg, 14Tommy Seymour, 13Mark Bennett, 12Duncan Taylor, 11Sean Lamont, 10Finn Russell, 9Greig Laidlaw, 1Alasdair Dickinson, 2Ross Ford, 3Willem Nel, 4Richie Gray, 5Jonny Gray, 6John Barclay, 7John Hardie, 8David Denton;

Reservas: 16Stuart McInally, 17Gordon Reid, 18Zander Fagerson, 19Tim Swinson, 20Blair Cowan, 21Sam Hidalgo-Clyne, 22Duncan Weir, 23Ruaridh Jackson.

Gales 27 – 23 Escócia

Placar de Intervalo: 10 – 13

Data: 13 de Fevereiro de 2016, 16:50 local, 14:50 Brasília
Estádio: Millennium Stadium, Cardiff
Público: 74.000
Tries: G Davies, North, Roberts      Tries: Seymour, Taylor
Cons: Biggar 3                                     Cons: Laidlaw, Weir
Pens: Biggar 2                                     Pens: Laidlaw 3

Confira a tabela e os próximos confrontos do #SN2016 aqui.

Vinícius Guedes

Administrador de Empresas pela UFRRJ, Segurança Privado, Árbitro de Rugby pela RioRefs, jogador pelo Itaguaí Rugby. Gosta de esportes, filmes, séries e muita música.

%d blogueiros gostam disto: