Pós-Jogo – Paraguai 2 x 2 Brasil

No Defensores del Chaco, o Brasil empatou com o Paraguai nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia, caindo para a sexta posição na classificação, uma abaixo da repescagem. Mais uma apresentação pífia, patética e horrenda do catado de jogadores que vestiram a camisa mais vitoriosa do futebol mundial.

Dominado no primeiro tempo e desesperado no segundo, a seleção tomou um verdadeiro passeio dos paraguaios.  O empate veio só aos 46 do segundo tempo, no abafa, no bumba-meu-boi. Sem Neymar suspenso (mas que, como capitão, deveria estar com o grupo) o time de Dunga mostrou tudo aquilo que se pode esperar dele: Baixa qualidade. Afinal, temos a pior geração de jogadores da história do futebol brasileiro. É só vermos que jogadores como Hulk, Fernandinho, Filipe Luís dentre vários com a camisa da seleção que vemos o quanto é ruim esse catado. E nem adianta falar que tinha Coutinho, William, Douglas Santos porque esses jogadores estão longe de serem craques. São jogadores nota 6,5 ou 7, no máximo. Mas como essa geração é de jogadores nota 3, se destacam dos demais.

E o técnico? Bom, nos últimos anos inventaram o “Falso 9”. O Brasil, nesse período, inventou o “Falso Técnico”, uma vez que pegou um ex-jogador que nunca foi treinador em lugar nenhum da vida para comandar a seleção, tanto em 2006 quanto agora. Dunga como técnico da seleção representa o que de pior há em planejamento da direção do futebol brasileiro. Afinal, dane-se a meritocracia, a qualidade dos jogadores, a característica de jogo, as novidades do mundo do futebol. Coloca-se um amiguinho da corja por lá que tá tudo certo. E, como ele foi capitão de uma seleção jogando no Japão (quando esteve no Mundial de 98) hoje temos que ver jogadores que estão em mercados como EUA, China, Rússia, Ucrânia e afins sendo convocados com qualquer explicação imbecil que se possa ter.

Na sequência, temos uma Copa América especial dos 100 anos da competição e um Jogos Olímpicos, em casa, para buscar a única competição que o Brasil não tem em sua extensa galeria de títulos. E mais uma vez, deveremos passar vergonha. Continuaremos com um futebol de baixa qualidade técnica e tática, arrumando desculpas nos outros para o insucesso. Pode até ser que numa dessas o Dunga caia, que assuma um Tite ou Muricy Ramalho da vida. Mas a cultura continuará a mesma. Sem estrutura de base, sem planejamento a médio prazo, sem identificação. Seleção vendida, fraca, patética e ridícula. Não à toa, estamos vendo uma geração de torcedores nascer sem qualquer interesse em assistir os jogos da seleção, mas venerando times espanhóis, ingleses, italianos, suecos e dinamarqueses. Parabéns aos envolvidos nessa lama que virou o futebol nacional.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: