O Derby do Medo

Texto: Giovanni Spiassi

Quando falamos de um “Derby” no futebol, falamos de um jogo entre equipes com uma grande rivalidade local na maioria dos casos(SP X Corinthians, FLA X FLU e etc),  de regiões que se antagonizam(Real X Barça), conflitos étnicos (Roma X Lazio), religiosos (Celtics X Rangers) e até políticos, que é o tema que iremos tratar hoje.

O Derby do medo é um clássico novo, de dois times que até então nunca tinham se enfrentado, são eles o Hansa Rostock e o St. Pauli. Os times passaram a maior do tempo divididos politicamente. O Hansa Rostock, situado na cidade de Rostock, fazia parte da Alemanha Oriental, sendo um dos melhores times do país comunista. O St. Pauli, situado na cidade de Hamburgo, nunca conseguiu ser maior que o seu rival local, o Hamburg SV, porém, era um time de destaque na Alemanha.

 

Torcida do Hansa Rostock
Torcida do Hansa Rostock

Depois da queda do Muro de Berlim, tudo era novo para os dois times. O Hansa passou a ser coadjuvante em uma Alemanha unificada. A queda do comunismo na Europa deu uma brecha para que ocorresse algo que se dizimou no Leste Europeu: movimentos neo-nazistas. Estes movimentos viam que o comunismo stalinista não melhorou suas vidas(e não melhorou a de ninguém, não é mesmo?), e que o capitalismo democrático os jogava num segundo plano. Assim como essa ação tomou conta do leste alemão, consequentemente, o mesmo se deu com a torcida do Hansa, que se tornou uma das mais temidas da Europa. Da parte do St Pauli, seus torcedores são conhecidos por sua postura de esquerda, indo contra o racismo, o sexismo, o capitalismo arcaico. Ou seja, um choque seria inevitável.

FC St. Pauli
Torcida do St. Pauli

Esse jogo aconteceu e foi em 19 de Novembro de 2011 pela 2º divisão da Bundesliga. O Hansa lutava para não cair para a 3º e o St. Pauli brigava pelo acesso. A partida seria em Rostock e a diretoria dos dois clubes tentaram apaziguar os torcedores mas ninguém seria capaz de acalmar os mais extremados.

O jogo foi tenso e isso já era de se esperar. A torcida do Hansa recepcionou os jogadores atirando bananas no campo, isso sem contar os insultos raciais e etc. Mas mesmo jogando fora de casa e com toda essa pressão, o St. Pauli soube administrar a partida e ganhou o jogo por 3×1. Depois do clássico, houve muitas brigas nos arredores do estádio. Depois da confusão, as autoridades revelaram que tiveram apenas 8 feridos, o que foi visto como lucro pelas autoridades depois de todo tumulto do jogo.

image_1321712923192
Bananas atiradas por torcedores do Hansa Rostock

Querendo ou não, os clássicos fazem bem para o futebol. Seja para aumentar a rivalidade dentro e fora de campo. Algo que trás tanta polêmica como futebol e política não deveria ser misturado. Toda forma de extremismo deve ser banida, seja do lado do St. Pauli ou do lado do Hansa Rostock.

 

 

 

  • Izuri Matsumoto Genk

    Adorei o texto!

  • Vinicius Fagundes

    Você chama Barack Obama de assassino também?

%d blogueiros gostam disto: