Backcourt NBA – Prévia e palpite das finais

Chegamos ao grande momento da temporada da NBA. Hoje, às 22h, começa as finais do melhor basquete do mundo, em uma reedição da temporada passada, com Golden State Warriors, do MVP da temporada Stephen Curry, enfrentando o Cleveland Cavaliers, do astro LeBron James, que terá sua revanche, em série de 7 jogos no formato 2-2-1-1-1, com quatro jogos na cidade de Oakland e 3 em Cleveland.

O Golden State teve uma temporada regular simplesmente fantástica, quebrando diversos recordes, incluindo o de maior número de vitórias com 73 (recorde que pertencia ao lendário time do Chicago Bulls de Jordan, Pippen e Rodman, na temporada 95/96). Mas um problema antigo assombrou a equipe durante os playoffs: As lesões de Stephen Curry o tiraram de alguns jogos e deixaram o armador com movimentos limitados em outros e os Warriors sofreram com isso. Por outro lado, Klay Thompson mostrou-se extremamente capaz de lidera a equipe, com atuações notáveis. Muita velocidade na transição e a formação “small ball” será também a tônica da equipe nessa série, além dos muitos tiros de três pontos.

Já os Cavs, apesar da primeira posição do Leste, tiveram uma temporada um tanto quanto turbulenta, com a troca de treinadores no meio da temporada, saindo David Blatt para que a Tyronn Lue assumisse com muita gente comentando que LeBron James o comandaria. Porém, quando os playoffs começaram, a equipe de Cleveland massacrou os dois primeiros adversários e, apesar de ter vencido a série em 6 jogos, não encontrou grande resistência do Toronto Raptors, chegando a fazer 40 pontos de frente no jogo 5.

Um jogador que pode fazer a diferença para os Cavs nessas finais é o armador Kyrie Irving. Muitos comentaristas inclusive acham que se Irving estivesse nas finais do ano passado (ficou de fora por lesão) a história poderia ser diferente. Irving nessa temporada jogou muito, com ótimos crossovers, infiltrações e distribuição de jogo. Com médias de 24.3 pontos, 4.5 assistências e aproveitamento de 45% na linha dos três, é o parceiro que faltou para LeBron James no ano passado.

A dificuldade do Cavs será na marcação de Stephen Curry. Steve Kerr deve pedir para o time abusar dos bloqueios para forçar a troca de marcação e colocar Curry contra Mozgov ou Kevin Love. Se isso ocorrer, são grandes as chances do camisa 30 deitar e rolar para infiltrar, arrumar para arremessar de três pontos ou assistir Klay Thompson ou Draymond Green na linha dos três. O desafio será quem vai marcar Irving, pois se Curry ficar frente a frente com o armador do Cavs, tende a tomar um baile. Se Thompson ficar em Irving, Curry provavelmente ficará com JR Smith e o ala-amardor do Cavs leva uma vantagem considerável na altura. Com a equipe do Cavs, vamos ver se Steve Kerr tira mais um coelho da cartola, como fez nas finais do ano passado, quando mudou a formação titular para o small Ball com a série em 2×1 para o Cavs e levou o título em 6 jogos.

Palpite: Sinceramente, acho que a revanche esse ano vem. O Cavs está mais inteiro fisicamente e Kyrie Irving, em minha opinião, será o fator de desequilíbrio dessas finais. Aposto em título do Cleveland, em 6 jogos, com Irving como MVP. E você, concorda? Discorda? Comente com a gente.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: