O futuro de Neymar deve ser no Barcelona ou longe dele?

Neymar é um dos principais jogadores de futebol da atualidade. Um craque com condições de ser protagonista em qualquer clube do mundo. Primeiro jogador a marcar gols em todos os jogos finais de Champions League em uma temporada. O primeiro. De Cruyff a Messi, nunca ninguém conseguira tamanha façanha. Não que ele seja melhor que estes dois e, sinceramente, apreciar o futebol de Neymar não é diminuir o futebol de qualquer outro jogador que desfila ou desfilou sobre os gramados do mundo, mas, o feito do rapaz é sintoma do tamanho que ele tem dentro de campo.

David Beckham foi um dos melhores jogadores ingleses de sua geração. Conhecido pelos cruzamentos, lançamentos e chutes de longa distância, o meia foi mais um postulante a herói inglês que fracassou por sua seleção. Foi um dos poucos ingleses a jogar em um dos principais clubes do mundo fora da Inglaterra. Porém, o que mais chama atenção para Beckham foi como transformou sua imagem fora das quatro linhas num ícone midiático mundial. Casado com uma Spice Girl, modelo de cuecas, principal garoto propaganda do mundo, o craque inglês foi responsável por uma importante mudança de paradigma no futebol e, a partir dele, os jogadores passaram a ser cobiçados por suas façanhas e desenvoltura fora das quatro linhas.

Não cabe aqui a comparação entre a bola jogada pelos dois jogadores. Funções, momentos, clubes e exigências diferentes para ambos. Porém, não podemos perder de vista o relacionamento entre os craques e seus mundos além do esporte. Ambos, além de grandes jogadores, são grandes “marcas” fora de campo e, se Beckham soube equilibrar as duas frentes de sua carreira, Neymar não parece competente para tanto.

Num mundo extremamente globalizado, onde as cifras ultrapassam as fronteiras do razoável, há uma cobertura excessiva sobre a vida dos jogadores que preenche a mídia, esportiva ou não, diariamente. Se há quem consuma, há quem venda, e é necessária extrema habilidade para lidar com o resultado desta nada fácil equação:

Desempenho em Campo + Protagonismo em Propagandas + Hiperexposição da Privacidade = Imagem do Jogador.

Se algum destes elementos postula-se negativamente, o jogador passa a ser questionado, e é este o principal problema de Neymar.

O craque brasileiro terminou a temporada 2015/16 em baixa, principalmente no Brasil, e tenho minhas dúvidas se este questionamento é justo. Veja os números aqui.

Dito tudo que foi dito, questiono: há justiça nas excessivas críticas a Neymar? Não fossem seus problemas fora de campo – condenações junto aos fiscos espanhol e brasileiro; declarações de gosto duvidoso nas redes sociais; excessiva participação em eventos e festas – o atleta seria tão criticado?

A situação do FC Barcelona é muito mais complicada. Com o crescimento do ídolo Neymar, o clube catalão tem que arrochar sua folha salarial para bancar o já caro trio ofensivo. Somado a isso, os problemas fiscais sofridos pelo clube e alguns de seus jogadores – Messi e Mascherano também foram flagrados em fraudes – levam a crer que, hora ou outra, alguém deverá ser negociado, visto que torna-se impossível manter uma relação saudável entre todos os envolvidos neste conturbado ambiente.

Só posso concluir que, para Neymar, tanto faz o clube que jogará na Europa. Tem condições físicas e técnicas para ser protagonista nas principais ligas do mundo. Cabe a ele gerenciar melhor sua vida fora de campo. Equilibrar seu papel como garoto propaganda, jogador de futebol e “socialite” da bola. Focar mais no crescimento técnico e tático, afinal, ainda tem pontos a melhorar – sua falta de versatilidade para jogar em diversas posições, por exemplo – assim, poderemos continuar brigando nos bares, redes sociais e grupos de amigos sobre quem é, ou virá a ser, melhor do mundo.

*Crédito da imagem destacada: globoesporte.com
%d blogueiros gostam disto: