Vem de 5: Grandes jogadores sem títulos importantes pela seleção

Após a perda da Copa América Centenário para o Chile, Lionel Messi, claramente decepcionado, anunciou sua aposentadoria da seleção. Ainda paira uma dúvida no mundo do futebol de que essa posição será mantida pelo maior jogador do futebol atual e poderíamos ver um grande jogador terminar sua carreira sem um título relevante na seleção principal do seu país (Messi conquistou os Jogos Olímpicos em 2008, mas, como todos sabem, é uma competição somente com jogadores sub-23). Vamos então a uma lista de cinco grandes atletas que encerraram sua carreira sem colocar uma medalha de ouro no peito com sua seleção.

Johan Cryuff – Holanda

O maior jogador de todos os tempos da Holanda foi um dos que ficou sem um grande título com sua seleção. Principal nome da seleção da Copa de 1974, do revolucionário Rinus Michels (Leia mais aqui), Johan Cryuff bateu na trave, com o vice-campeonato mundial em terras alemãs, para os donos da casa. Se pela seleção não tem conquistas, sua carreira de jogador teve o tri-campeonato da Champions League, entre 71 e 74, pelo Ajax. Figura normalmente em listas com os 10 maiores jogadores da história do futebol.

Zico – Brasil

O Galinho de Quintino esteve presente em uma das maiores seleções de todos os tempos do Brasil, na Copa de 1982, comandada pelo inesquecível Telê Santana, ao lado de craques como Sócrates, Falcão, Junior, Cerezo, entre outros. A campanha acabou cedo, no jogo conhecido como Desastre do Sarriá (Leia mais – Vem de 5 – Grandes seleções que não ganharam a Copa do Mundo). Se pela seleção Zico não teve sucesso, será sempre lembrado como o eterno camisa 10 do Flamengo, tendo conquistado, entre muitos outros títulos, a Copa Libertadores e Mundial de 1981.

Roberto Baggio – Itália

Um dos maiores nomes na década de 90 da seleção italiana, Baggio, assim como Johan Cryuff, bateu na trave de uma Copa do Mundo com sua seleção. Foi em 1994, nos EUA, perdendo a final nos pênaltis para o Brasil. Baggio foi o responsável pela cobrança decisiva, mandando para bem longe das traves e consagrando o tetra-campeonato da seleção brasileira. Melhor jogador do mundo em 1993 e campeão italiano por Milan e Juventus, além do título da Euro League pela Internazionale, foram suas principais conquistas fora da Azzura.

Michael Ballack – Alemanha

Ballack foi quase que um craque solitário da fase de reconstrução do futebol alemão, iniciada no final dos anos 90 para o começo desse século. E foi mais um que chegou muito perto de uma grande conquista pela seleção. Em 2002, foi preponderante para a Alemanha chegar à final da Copa do Mundo contra o Brasil, mas, por cartões amarelos ao longo da competição, viu das arquibancadas a derrota na decisão. Também fez parte do elenco vice-campeão da Euro em 2008, perdendo a decisão para a Espanha. Por clubes, venceu quatro vezes a Bundesliga (1 pelo Kaiserslautern e 3 pelo Bayern d Munique).

Raúl – Espanha

Raúl Gonzalez Blanco, ou Raúl Madri devido a sua extensa e vencedora carreira no Real Madrid, também não teve sucesso com a seleção espanhola. Foi de uma geração imediatamente inferior a Fúria que conquistou a Euro por duas vezes e a Copa do Mundo em 2010. Com a camisa 7 do Real Madrid, conquistou três vezes a Champions League e seis vezes o campeonato espanhol.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: