A surpresa pode vir da espada

Para quem gosta de assistir as mais diversas modalidades esportivas, nada como os Jogos Olímpicos. É nesse evento que temos contado com alguns esportes que raramente temos notícias por 4 anos, mas que, por um motivo ou outro, chamam nossa atenção. Se houver um brasileiro na disputa por medalhas ainda, nosso interesse sobe muito. É nessa categoria que se encaixa a esgrima.

O esporte da espada reúne os principais predicados do esporte. Para praticá-lo, é preciso muita postura corporal, equilíbrio, reflexo, agilidade com as mãos e raciocínio rápido durante as batalhas. É um esporte considerado nobre, mas de um repertório técnico altamente apurado. E, se você não vê ainda nenhum significado na modalidade, saiba que países como Itália e França, somente nessa modalidade, possuem mais medalhas olímpicas que o Brasil em todas as modalidades na história dos Jogos. Ao todo, são 10 competições (Florete, Sabre e Espada individual masculino e feminino, florete e sabre por equipes masculino e feminino e espada por equipes feminino).

E o Brasil, nessa edição dos Jogos Olímpicos, pode ter uma grata surpresa no esporte. Renzo Agresta, paulista descendente de italianos, 17º colocado no ranking mundial, estará na disputa do sabre. Aos 31 anos, Agresta chega a sua quarta participação olímpica (estreou em Atenas, em 2004). Sua trajetória no esporte começou com 12 anos, no Clube Atlético Paulistano, através do treinador Regis Trois. Aos poucos, o gosto pela modalidade foi pegando e a profissionalização no esporte acontecendo. Hoje, quando vem ao Brasil, treina no Esporte Clube Pinheiros, mas, por falta de uma boa competitividade no país, faz a maior parte do seu treinamento na Itália.

Na sua modalidade, o sabre, os favoritos são os russos, italianos e os coreanos. O caminho para uma medalha será extremamente complicado, mas toda Olimpíadas reserva aquela surpresa, aquele atleta que não estava entre os principais favoritos, mas viveu um dia incrível, superou as dificuldades e conseguiu a tão sonhada medalha olímpica. Renzo Agresta chega mais experiente nessa edição dos Jogos e pode ser essa surpresa que colocará o Brasil no mapa da esgrima mundial. É o melhor brasileiro no esporte há tempos. Medalha de bronze no Pan-Americano do Rio de Janeiro em 2007 e do Canadá em 2015, tem qualidade suficiente para aprontar nesses Jogos Olímpicos.

Se você está procurando um esporte diferente para os olhos normais dos brasileiros nessa edição dos Jogos Olímpicos, dê uma chance a esgrima e torça junto com a gente por Renzo Agresta. A surpresa, pode muito bem vir das espadas nessa competição.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: