De Bandeja – A justa e mericida homenagem a um mito do Basquete nacional

Na última semana, o Coritnhians fez uma bela homenagem a um dos maiores nomes da história do basquete brasileiro. Wlamir Marques, jogador que marcou a geração que conquistou os únicos dois títulos mundiais do Brasil, em 1959 e 1953, além dos dois bronzes olímpicos, em Roma 1960 e Tóquio 1964. Agora Wlamir estará eternizado no Parque São Jorge sendo o nome do ginásio poliesportivo do clube. Atualmente, o Corinthians conta apenas com uma equipe profissional feminina disputando a principal liga do país, a LBF (Liga de Basquete Feminino).

Hoje comentarista dos canais ESPN, a trajetória de Wlamir Marques começou aos dez anos de idade, jogando pelo Tumiaru, time de sua cidade natal, São Vicente. No ano seguinte em 1953, Wlamir passou a jogar pelo XV de Piracicaba, onde aprimorou o seu jogo, até que, aos 25 anos foi contratado pelo Corinthians em 1962. Nesse tempo, foi dez vezes campeão Paulista de Basquete: em 1957 e 1960 com o XV de Piracicaba e 1964-1971 com o Corinthians. Além disso, com a seleção de Piracicaba ganhou seis vezes os Jogos Abertos do Interior. Depois de se tranferir do Tênis Clube de Campinas para o Palmeiras na década de 70, optou pela carreira de técnico.

Na seleção nacional, onde é considerado um dos maiores jogadores da história do Brasil, juntamente com ídolos como Amaury Pasos, Algodão, Rosa Branca e Ubiratan liderou a geração mais vitoriosa do basquete brasileiro durante as décadas de 50 e 60.Nesse período, ganhou dois apelidos logo no começo de sua carreira: Disco Voador e Diabo Loiro, o mais famoso.

É multimedalhista: possui quatro medalhas dos mundiais de basquete, sendo duas de ouro e duas de prata, além de dois bronzes olímpicos, um nos Jogos de Roma-1960 e outro nos Jogos de Tóquio-1964. Além dele, Kresimir Cosic, outro multimedalhista em Campeonatos Mundiais de Basquete da FIBA, possui dois ouros e 2 medalhas de pratas. Em âmbito continental, medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de 1963 e medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1955 e Jogos Pan-Americanos de 1959.

A carreira de treinador começou em Limeira, prosseguindo tanto no masculino (Jundiaí, Corinthians, Tênis Clube de Campinas, Palmeiras, Hebraica, Cerquilho, e Telesp Clube Pinheiros), tanto no feminino (Corinthians, XV de Piracicaba e São Caetano). Por três vezes o conquistou o Paulista feminino e uma vez o masculino. Ele já participou de Jogos Abertos do Interior de ambos os sexos, chegando em terceiro lugar duas vezes. Ele ganhou três Jogos Regionais e dois Campeonatos Paulistas Mirim.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: