Turnover – Um sonho meio maluco

Aviso: O texto a seguir está recheado de clubismo (e cornetagem do próprio).

Essa semana tive um sonho meio doido. Estava sonhando com o SuperBowl LI. Em campo, finalmente veria meu Indianapolis Colts, depois de longos anos de espera. Do outro lado o Dallas Cowboys, time que, por conta de alguns amigos meus, aprendi a torcer contra e dar risada sempre das bobagens que via Tony Romo fazendo em campo. Um grande jogo se apresentava.

Como se tornou de praxe nos Colts, começamos perdendo a final. Em passe de Tony Romo para Dez Bryant o placar foi aberto pelos Cowboys. Ainda no primeiro quarto, empatamos o jogo em corrida de 13 jardas de Frank Gore, depois de um bom drive. No início do segundo quarto, mais um TD dos Cowboys, em corrida de Ezekiel Elliot. Andrew Luck comandou mais uma vez o ataque e Vinatieri diminuiu a diferença para 14×10. Ainda antes do intervalo, os Cowboys pontuariam mais uma vez, novamente com Dez Bryant queimando a secundária dos Colts.

O show do intervalo chegava e nada de Lady Gaga, Kate Perry ou coisas do tipo. Nesse meu sonho, o show seria de ninguém menos que o Iron Maiden. Eles abririam com The Trooper, mandariam The Number of the Beast e encerrariam com Hallowed Be Thy Name, em 15 minutos para entrar para história dos shows do intervalo. No segundo tempo, ocorria a história do Colts. Luck, correndo 7 jardas, colocaria a diferença em 4 pontos. Mas os especialistas não segurariam o retorno de kick-off e o placar chegava há 28 x 17 ainda no terceiro quarto. Em mais uma campanha longa, Luck não consegue entrar na endzone e Vinatieri coloca o placar em 28 x 20. Os Cowboys aumentariam a vantagem para 31 x 20 com 7 minutos restando para o final do SuperBowl. Aí começariam os milagres de Luck. Na campanha seguinte, toda no No Huddle, ele encontraria Allen na endzone para colocar o placar em 31 x 26, já que a conversão de dois pontos não seria concretizada. A defesa conseguia pela primeira vez no jogo forçar um 3 and out e, com menos de 2 minutos, Luck teria que cruzar 76 jardas para a endzone. Faltando 40 segundos, os Colts encararam uma quarta para 7 jardas na linha de 40. Luck encontra TY Hilton para um TD espetacular que dá a vitória e o terceiro título para os Colts.

Aí meu amigo, eu acordei. Por que alegria de pobre, como diz o ditado dura pouco. E sonhos desse tipo raramente se concretizam. Lembrei então que os Colts começaram a temporada 1-3 e no domingo mais uma vez saímos derrotados, agora para o Jacksonville Jaguars. Luck até tenta fazer seus milagres, mas tomando 6 sacks, como nesse jogo de Wembley, fica bem complicado. E lembrei também que no banco temos um treinador do quilate de Chuck Pagano, há quatro anos no cargo e que não conseguiu montar uma linha ofensiva decente. E tem cada vez mais piorado a secundária. Que não consegue ter um RB com um jogo de 100 jardas terrestres há mais de um ano. Que seleciona, junto de seu par Ryan Grigson, um WR na primeira rodada do draft quando ótimos nomes de linha ofensiva e secundárias estavam disponíveis.

img_20161004_093150Até hoje não consigo entender a opção de Irsay de manter essa dupla patética no comando da equipe. Que completaram o serviço mandando embora agora Cromartie e Moore, dois titulares da secundárias. Não estavam jogando nada? Não, mas foram eles que depositaram a esperança de uma defesa no mínimo decente nesses jogadores. Enfim, para quem é torcedor do Colts como eu, mais uma temporada jogada no lixo. Temos um ótimo QB, um WR bem subestimado, mas não conseguimos ter um time. O Build the Monster ficou na promessa. Virou um monstrinho bem feio. E o time vai pagar um salário recorde para Luck e não vai conseguir proteger as lesões seu principal jogador. E para quem está chamando Luck de Bust, coloco aqui ao lado somente um quadro: O Ranking de QBs das primeiras quatro semanas da PFF (Pro-Football Focus). Infelizmente, tenho que me divertir com meus sonhos mesmo. Que venha a temporada 2017, sem Grigson e sem Pagano.


Underrated

Dak Prescott mostra uma vitalidade de novato e uma calma de veterano no Pocket. Mais um ótimo jogo do calouro QB dos Cowboys, virando um jogo de 14 pontos. Prescott lançou para 245 jardas e 2 TDs, novamente sem interceptações. Será que é necessário Tony Romo voltar?

Overrated

O Atlanta Falcons apresenta o melhor ataque da NFL até aqui. Matt Ryan passou para mais de 500 jardas e Julio Jones recebeu para 300, atuações históricas. Mas a defesa continua cometendo muitos vacilos. Próximo jogo será contra a poderosa defesa do Denver Broncos. Será que somente o ataque dos Falcons é suficiente para levar o time para um SuperBowl?

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: