Análise: Copa do Brasil e seu novo regulamento

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

No inicio de mês de dezembro de 2016 a CBF anunciou mudanças no regulamento da maior competição mata-mata do país: A Copa do Brasil.

A maior mudança é no modo como são realizadas as duas primeiras fases da competição, a primeira sendo disputado por 80 clubes (70 clubes oriundos das competições estaduais e 10 pelo Ranking de Clubes da CBF) em jogos únicos onde os times melhores ranqueados visitam os de pior ranking e os visitantes tem a vantagem do empate. Ai entra o primeiro problema, o antigo regulamento da Copa já prejudicava os times pequenos pois existiam jogos de ida e volta em caso de vitoria do mandante, o que dificultava uma classificação do clube de menor expressão, e agora com a história de o melhor ranqueado poder empatar fora tira ainda mais a chance de uma zebra ocorrer. A CBF acerta ao escolher jogo único, porém erra ao dar a vantagem à equipe melhor posicionada em seu ranking.

Já a segunda fase é o modelo perfeito, 40 clubes, sorteio define o mandante e o vencedor se classifica, nessa fase ocorrerão maiores possibilidades de um azarão classificar. A terceira e quarta fase são iguais antes, confrontos de ida e volta, com gol qualificado e os vencedores dos confrontos classificam-se. Nas quinta fase (oitavas de final) entra novamente a confusão e os furos do regulamento, essa etapa engloba os 5 clubes que se classificaram após essas 4 primeiras fases, os 7 clubes participantes da Taça Libertadores, o campeão da Sul-Americana, e aqui entra o grande ponto de discussão: também entram direto nessa fase os campeões da Copa Verde, Copa do Nordeste e o mais inacreditável é o campeão da Serie B ser catapultado direto para as oitavas de final. É plausível dar uma vaga direta para os campeões de torneios regionais, mas não existe qualquer explicação para o campeão da segunda divisão do campeonato brasileiro entrar apenas nessa fase.

A sequencia do torneio é o mesmo de antes, com confrontos de ida e volta com gol qualificado até chegar na final onde o gol qualificado não existe.

A CBF tentou mudar e trazer mais emoção para a Copa do Brasil, contudo, como sempre ela erra ao mudar em cima da hora e sem nenhum planejamento, e comete grandes erros como essa primeira fase com vantagem para os melhores ranqueados e a entrada do campeão da Serie B na fase oitavas de final. Novamente a confederação brasileira de futebol erra em coisas simples, é pedir muito ter um planejamento correto e um regulamento coeso pela menos uma vez?

Leonardo Pereira

Estudante de jornalismo e criador de teses sem noção nos momentos vagos. Twitter: @isentoever

%d blogueiros gostam disto: