Casos de ‘gato’ no futebol brasileiro

Mais uma vez, o caso dos famosos “gatos” envolvendo jogadores deu as caras novamente, e de uma forma bem triste para os torcedores do Paulista de Jundiaí. A equipe que fazia campanha perfeita na Copinha, com 8 vitórias em 8 jogos já estava garantida na final após derrotar o Batatais por 5 a 1 na semifinal. Eis que o time perdedor acionou a justiça para denunciar o zagueiro Brendon Matheus do Paulista, que na verdade, era Matheus Cardoso, de 22 anos e não 19. Ele atuava com identidade falsa de seu primo, preso no Rio de Janeiro. Vale frisar que a idade máxima permitida na Copa SP é de 20 anos.

Além desse caso recente, podemos lembrar de outros tantos. Como por exemplo, Sandro Hiroshi. Na época, o atacante fez com que o São Paulo perdesse quatro pontos no Campeonato Brasileiro por usar documentação falsa.

Como também não lembrar de Anaílson, destaque do São Caetano, auge em 2004, quando foi Campeão Paulista pelo clube. O atleta afirmava que havia nascido em 1980, sendo que o verdadeiro ano era 1978.

Um dos casos mais famosos, o de Emerson Sheik. Seu nome real, Márcio Passos, foi alterado para Emerson (o qual se manteve hoje) Passos, alterando seu nascimento de 1978 para 1981, com isso, teve de pagar uma multa de 70 mil reais e serviços comunitários por quase dois anos.

Outro conhecido foi Rodrigo Gral. Ainda no Grêmio, forjou sua idade, reduzindo a em dois a anos para atuar a Copa do Mundo de Juniores pelo Brasil na Nigéria, em 1999. Caso que só foi descoberto em 2000.

O caso de Matheus Cardoso não será o primeiro nem sequer o último. Porém, pode comprometer a carreira do próprio atleta, e no caso, a interrupção do sonho dos garotos do Paulista de Jundiaí, que fariam a final da Copa SP diante do Corinthians.

Matheus Guedes

17 anos, apaixonado por futebol e torcedor do Santos Futebol Clube. Sempre ligado na NBA, fã do Oklahoma City Thunder. Por fim, amante do tênis, torcedor do britânico Andy Murray. No twitter @maatiiee

%d blogueiros gostam disto: