Rugby+Futebol: O que Tite e Eddie Jones têm em comum?

Sejam bem-vindos a 2017 e a uma matéria sobre os dois esportes que mais amo neste mundo: O Rugby e o Futebol. Abaixo farei um comparativo entre os dois treinadores que catapultaram suas seleções e as fizeram retornar aos tempos áureos: a Inglaterra, no rugby e o Brasil, no futebol. Estamos falando de Eddie Jones e Adenor Bacchi, o nosso amado Tite.

Eddie Jones

Jones, quando ainda era treinador do Japão

Com 56 anos e uma sólida carreira como treinador, o nipo-australiano Eddie Jones conquistou notoriedade enquanto comandava a seleção japonesa na RWC2015 em uma vitória surpreendente frente os sul-africanos (reveja este momento aqui) e aumentando as especulações de que sua ida para a Inglaterra já era dada como certa (com uma ajudinha da pior campanha da equipe em copas, comandada por Stuart Lancaster). Jones concretizou as especulações e, além de se tornar o primeiro técnico não-inglês a comandar o selecionado, começou a fazer mudanças desde cedo, ao tirar Chris Robshaw da capitania e nomear o polêmico Dylan Hartley.

A mudança de postura e disposição tática sofreram efeito e Jones liderou a Inglaterra ao Six Nations de forma invicta e convincente, com 10 pontos, 5 jogos, 5 vitórias 13 tries feitos e 132 pontos.

Quando começou o Six Nations, a Inglaterra se encontrava em 7º lugar no Ranking mundial e terminou em 4º após a vitória contra a França por 31-21.

Após o SN2016, Jones se preparava para enfrentar e derrotar as principais seleções do primeiro escalão(Tier 1) do rugby mundial, respectivamente:

País de Gales por 27-13, Austrália, por três partidas, vencendo por 39-28, 23-7 e 44-40, África do Sul por 37-21, Fiji por 58-15, Argentina por 27-14 e Austrália por 37-21.

Eddie Jones fechou o ano de 2016 estabelecendo um recorde para a seleção inglesa, com 13 vitórias consecutivas e a 2ª posição no Ranking da World Rugby e promete entregar cada vez mais. Seguem os números deste ano excepcional para os ingleses, após o fiasco da RWC2015 em casa:

13 Jogos, 13 Vitórias, 424 pontos pró, sete troféus(SN2016, Tríplice Coroa – vencer Gales, Irlanda e Escócia numa mesma edição de SN2016, Calcutta Cup – vencer Escócia, Millennium Trophy – vencer Irlanda, Old Mutual Wealth Cup – ao vencer País de Gales pelo torneio do patrocinador Old Mutual Wealth, Cook Cup – vencer a Austrália duas vezes: uma no tour em Junho na Inglaterra e outra em Novembro, na Austrália). Colocou George Ford e Owen Farrell para jogarem juntos, só que Ford com a 10 e Farrell com a 12, como primeiro centro; e vem dando certo.

Eddie pode ser a combinação que a Inglaterra precisa para trazer o bicampeonato, na RWC2019, no Japão, apesar de existir uma equipe incrível chamada All Blacks.

Eddie Jones, após esse ano espetacular de 2016

Adenor Bacchi (Tite)

Tite é o treinador da nova seleção brasileira de futebol

Volante de formação, conquistou seu primeiro título brasileiro pelo Corinthians em 2011, após uma campanha excepcionalmente regular no primeiro turno com 37 pontos em 19 rodadas, fechando o campeonato com 71 pontos após 38 rodadas. A vitória da Série A credenciou a equipe do Corinthians à Copa Libertadores de 2012, que Tite levou o caneco após vencer o Boca Juniors no placar agregado de 3-1 (1-1 na primeira partida e 2-1 na segunda). A vitória na Libertadores de forma invicta(6J, 4V e 2E na fase de grupos; 0-0/0-3 contra o EMELEC nas oitavas-de-final, 0-0/0-1 contra o Vasco nas quartas-de-final, 1-0/1-1 contra o Santos na semifinal e 1-1/0-2 vencendo o Boca Juniors na final) fez a CBF ter mais carinho com o nosso Adenor, apesar de já ter escolhido Luiz Felipe Scolari para comandar o Brasil, já que Mano Menezes vinha em uma irregularidade tremenda de partidas.

Veio o Mundial de Clubes e o Corinthians, ainda comandado por Tite, enfrentou Al-Ahly na semifinal e venceu por 0-1, chegando à final e  vencendo também o Chelsea por 1-0, após cabeçada de Paolo Guerrero, consagrando um ano excepcional de Tite. Em 2013 conquistou o Campeonato Paulista e a Recopa Sul Americana e decidiu sair do clube para um ano sabático em Novembro, que resultou em viagens e estudos, visitando diversos clubes europeus, como Arsenal e Real Madrid.

Em 2014 veio a Copa do Mundo e o famoso 7-1 com Luiz Felipe Scolari, além do 3-0 para a Holanda que ninguém comenta, que culminou em sua saída e a chegada do novo-velho Dunga no comando da seleção.

Retornou ao Corinthians em 2015 e ganhou a Série A com “um pé nas costas”, comandando a equipe à melhor campanha da era dos pontos corridos. Em 2016 veio a consagração de um trabalho ao ser chamado para ser o técnico do Brasil após irregularidade e impopularidade com Dunga(perdeu a Copa América de 2015 e a Copa América Centenário, em 2016 e, em 6 jogos na Eliminatórias, 2V, 3E e 1D com 11 gols e 9 pontos) e o Brasil começou a deslanchar: nas Eliminatórias para a Copa do Mundo Rússia 2018, a seleção de Tite conquistou, até o momento, 6J, 6V, 17 gols e 18 pontos, com a artilharia nos pés de Gabriel Jesus e Neymar vindo atrás, com cinco e quatro gols respectivamente.

Retrospectiva Eliminatórias para a Copa do Mundo Rússia 2018

Dunga: Chile 2-0 Brasil, Brasil 3-1 Venezuela, Argentina 1-1 Brasil, Brasil 3-0 Peru, Brasil 2-2 Uruguai, Paraguai 2-2 Brasil

Tite: Equador 0-3 Brasil, Brasil 2-1 Colômbia, Brasil 5-0 Bolívia, Venezuela 0-2 Brasil, Brasil 3-0 Argentina, Peru 0-2 Brasil

Os números surpreendem e repetem a sequência vitoriosa de João Saldanha nas Eliminatórias para a Copa do Mundo México 1970. Tite tem 55 anos enquanto João Saldanha, em 1970, tinha 53.

Tite pode trazer o Hexacampeonato para o Brasil na Copa do Mundo Rússia 2018, mas ainda precisamos ver mais jogos.

Fechando 2016 de forma histórica e tranquila

O que ambos os treinadores fizeram:

  • Convocações coerentes;
  • Mudança de postura e atitude dentro e fora de campo;
  • Viver uma partida de cada vez.

Na minha opinião, a fórmula para o sucesso consiste em impor seu rimo de jogo, ter jogadores habilidosos que decidam partidas em vez de só um (Owen Farrell na Inglaterra de Lancaster e Neymar no Brasil de Dunga; Itoje, Ford, Mako e Billy Vunipola na Inglaterra de Jones e Neymar, Renato Augusto, Casemiro, Fernandinho e Gabriel Jesus no Brasil de Tite).

Vinícius Guedes

Administrador de Empresas pela UFRRJ, Segurança Privado, Árbitro de Rugby pela RioRefs, jogador pelo Itaguaí Rugby. Gosta de esportes, filmes, séries e muita música.

%d blogueiros gostam disto: