Plano de Jogo – O massacre do Bayern

Este será o início do quadro Plano de Jogo, onde o foco é na análise tática. Para o primeiro post, o tema foi pra votação no Twitter @HTE__Sports e o vencedor foi o jogo Bayern de Munique 8 x 0 Hamburgo.

Confesso, que essa era minha preferência, pois quando o tema foi pra votação, ainda não tinha assistido e estava muito curioso para entender o porquê do placar tão elástico. E acompanhando na íntegra, ficou claro o motivo dos 8 gols do Bayern de Munique.

Coincidência ou não, o Bayern vem de um retrospecto recente esmagador contra o Hamburgo. Nos últimos 7 duelos das duas equipes em Munique, o placar agregado é de 44 a 3 para o time da casa, com uma média absurda, maior que 6 gols por jogo, para o time de Carlo Ancelotti.

A ANÁLISE

Escalações de Bayern de Munique x Hamburgo

Fase defensiva – Hamburgo

A equipe do Hamburgo alternou a marcação do 4-2-3-1 para o 4-4-2 com o Holtby avançando mais. Mas o mais utilizado durante a partida foi mesmo o sistema com duas linhas de 4. O que não funcionou devido a péssima partida da dupla de volantes: Jung e Walace.

A saída de jogo do Bayern com Vidal

No início do jogo, quando necessário, o volante Vidal se alinhava com os zagueiros para fazer a saída de bola para a equipe do Bayern, isso aconteceu quando o Hamburgo tinha a marcação mais alta. No decorrer da partida, Vidal foi avançando e dando início as jogadas no seu campo de ataque.

Müller e sua função

O Bayern jogou num 4-2-3-1 com o Müller jogando atrás do Lewandowski e sendo o homem surpresa na área do Hamburgo. Nessa jogada, o alemão avançou livre de marcação e por pouco não alcançou o cruzamento do Douglas Costa.

Apertou, tem o Neuer


O goleiro alemão virou uma referência em todo o planeta no que diz respeito a jogar com os pés. O Bayern de Munique, sempre que se sente apertado, desafoga o jogo com o goleiro e o próprio, dá sequência a jogada. Foi assim na primeira imagem, Alaba sem opção de passe recuou para o Neuer, a equipe não perdeu a posse da bola e na sequência da jogada, abriu o placar.


Nessa segunda imagem, temos outro exemplo onde o Bayern recuou a bola para o goleiro, manteve a posse e obteve espaço no ataque. Dessa vez, Javi Martínez tocou no Neuer, a jogada seguiu e Robben parou na defesa do Adler.

Área numerosa

Uma característica importante para os times atuais é a chegada de 4 a 5 jogadores na área adversária, assim aumenta a chance de finalização. O Bayern fez isso diversas vezes no jogo.

Os dois primeiros gols: dobradinha na lateral

Jogada poderosíssima do Bayern na partida foi a dobradinha nas laterais, seja Douglas Costa-Alaba ou Robben-Lahm. Foi assim que surgiu os dois primeiros gols. No primeiro, Douglas Costa tabelou com Alaba e abriu caminho para achar Müller, que ajeitou para Vidal marcar.

No segundo, Robben está na direita, Lahm faz a ultrapassagem e recebe para cruzar, na sequência Lewandowski sofre o pênalti.

Pressão no homem da bola

Logo após o primeiro gol, Müller pressiona o marcador no seu campo de ataque e rouba a bola. Começa um contra-ataque para o Bayern de 6 contra três, na sequência Lewandowski para no travessão. Novamente, o Bayern com 5 jogadores na área adversária.

Hummels matando os contragolpes

No primeiro tempo, o Hamburgo buscou contragolpear várias vezes, mas sempre parou no zagueiro Hummels, que salvou em pelo menos duas oportunidades. Na foto, um contra-ataque promissor de quatro contra dois foi interrompido pelo zagueiro.

Pontas recompondo

Característica quase que padrão no mundo inteiro atualmente, no Bayern os pontas (Douglas Costa e Robben) também ajudam na recomposição e se necessário, retornam até a linha de fundo.

Viradas de jogo do Vidal

Alternativa de jogada bem interessante, as viradas precisas de jogo do volante Vidal ajudam o time a trabalhar a bola e encontrar espaços vazios. Mas não só o chileno trabalha com esse tipo de lance no Bayern, Thiago, Robben e outros também tentam suas invertidas.

Quarto gol: pressão no homem da bola

No quarto gol, a pressão com três jogadores foi feita no lateral Sakai e o forçou a errar o passe. A sequência do lance foi o terceiro gol de Lewandowski na partida.

Quinto gol: a cara do Bayern

O quinto gol se inicia numa bela virada de jogo do Robben para Douglas Costa. Alaba faz a ultrapassagem (novamente no jogo). Lewandowski fazendo o pivô e Müller garçom. Tudo numa jogada só. Resumo do que foi o jogo.

Mudanças no Bayern

Ancelotti já tinha feito todas as alterações com 20 minutos do segundo tempo. Perdeu o centroavante fixo, ganhou um meia centralizado móvel, Douglas Costa e um ponta vertical, Coman.

Sexto e sétimo gols: Hummels armador

Que baita zagueiro é o Hummels. Já ganhou destaque por sua capacidade no desarme. Mas desta vez, arrebentou na qualidade do passe, participando do sexto e sétimo gols. No primeiro, Hummels lançou Coman nas costas da zaga. No segundo, avançou e achou Muller, na sobra, Coman marcou de novo.

Oitavo gol: triangulação

No oitavo gol, o Bayern usou a triangulação para marcar. Rafinha-Douglas Costa-Robben tabelaram e o holandês fechou o caixão.

Assim se encerra o primeiro post do quadro Plano de Jogo. Está feita a análise da goleada do Bayern e deu pra entender o porquê do placar arrasador.

Linekher de Andrade

16 anos. Jogador de futebol do Anápolis FC, sub17. Goiano com orgulho. E nome inspirado no artilheiro da Copa de 1986, o inglês Gary Lineker.

%d blogueiros gostam disto: