É possível não se empolgar com a seleção de Tite?

“Olê, olê, olê, olê, Tite, Tite”

Esses foram os gritos da torcida brasileira na Arena Corinthians durante a partida contra o Paraguai valido pelas eliminatórias sulamericanas, não foi apenas o grito dos presentes no estádio, todo brasileiro desabafou e se rendeu a qualidade de Tite. Contudo, os últimos fracassos em Copas trazem um receio para a seleção, 2006, 2010 e 2014 o Brasil perdeu após empolgar a torcida com grandes atuações no ano anterior ao mundial, mas é preciso se preocupar que isso aconteça com o Brasil de Tite?

Tite elevou o nível de atuação da seleção de maneira impressionante, desde a Copa das Confederações de 2005 o Brasil não demonstrava tamanha superioridade com seus rivais, destaque que ainda é necessário um teste contra uma equipe europeia para realmente aprovar o trabalho do treinador. Porém, contra gigantes como Argentina e Uruguai o Brasil já demonstrou sua força e passou sem dificuldades, duas goleadas, 3 a 0 e 4 a 1, respectivamente.

O time formado por Tite demonstra uma qualidade tática e técnica que o torna melhor seleção do mundo na atualidade, se a Copa fosse realizada na próxima semana o Brasil seria o grande favorito ao título, mas ainda temos um ano pela frente e muitas coisas podem ocorrer nesse período.

A seleção faz uma goleada atrás da outra

Uma pergunta simples que explica o por que precisamos ter o mínimo de calma com a seleção é, torcedor você lembra da empolgação após a goleada para cima da Argentina na Copa das Confederações de 2005? Ou do futebol que não empolgava, mas era extremamente eficiente de Dunga em 2010? Ou ainda melhor, da empolgação após a vitória sobre a seleção espanhola na final da Copa das Confederações em 2013 no Brasil?

Quais foram os finais desses filmes? Eliminação nas quartas de final duas vezes, para França e Holanda, respectivamente, e a humilhação do 7 a 1 em casa na semifinal da Copa do Mundo em 2014 para a Alemanha. Toda vez que o Brasil chega com a moral de favorito acaba por fracassar, esse é o roteiro dos últimos anos.

Óbvio, que o torcedor deve ficar alegre e empolgado com a seleção de Tite, deve cantar nos estádios o nome dele, o nome de Neymar, o nome de Gabriel Jesus, no entanto, deve manter o pé no chão, eliminatórias e amistoso é uma coisa, Copa do Mundo é outra bem diferente.

Leonardo Pereira

Estudante de jornalismo e criador de teses sem noção nos momentos vagos. Twitter: @isentoever

%d blogueiros gostam disto: