Rodada UCL #9 – HISTÓRICA

A primeira parte das Oitavas de Final contou com resultados já esperados e com um favorito passando que parecia bem improvável. A virada do Barcelona no agregado entra para a história do futebol, numa das maiores demonstrações de força de vontade no futebol.

NAPOLI X REAL MADRID

Oscilando um pouco no campeonato italiano, mas apresentando bom futebol, o Napoli tinha a missão de abrir 2 a 0 sobre o Real para passar, e a boa fase de alguns de seus jogadores poderia fazer isso ser acreditável. E começou a partida como devia, em cima do adversário, mas não conseguia se infiltrar na defesa madrilenha, arriscando de fora da área. Mas aos 24 minutos, jogada rápida no meio-campo, Hamsík recebeu de Insigne e assistiu Mertens, dentro da área, abrir o marcador, esquentando ainda mais o jogo. Cristiano, limpando o goleiro, e Mertens ainda meteram bolas na trave antes do fim do primeiro tempo. O vestiário fez bem ao Real, que voltou com outra atitude e tratou de acabar com as chances do Napoli bem cedo: Sergio Ramos, em escanteio, empatou para o Real aos 6’. Aos 12’, em mais um escanteio, mais uma vez Sergio Ramos cabeceou para as redes. O gol, entretanto, contou com desvio de Mertens antes e foi anotado pra ele. Depois disso, o Napoli perdeu suas esperanças e não obteve êxito, e o Madrid continuara a aumentar o placar até conseguir aos 91’: em rebote de Reina no chute de Ronaldo, Morata apareceu para fechar o placar.

Sempre pronto pra decidir

ARSENAL X BAYERN

Reverter um 5 a 1, missão impossível para o Arsenal? Demais até. E ainda mais quando o Bayern mostrou que não ia a Inglaterra tentar segurar resultado. Os ingleses até começaram em cima, com Giroud aparecendo bem na área e aos 20’, Walcott “tabelou” com o francês, invadiu a área e soltou uma bomba, sem chances para Neuer. Walcott teve oportunidade semelhante ainda, mas foi só isso no primeiro tempo. Na volta, o Arsenal manteu atitude mas não durou muito tempo: aos 8’, Koscielny cometeu pênalti duvidoso em Lewandowski, tomou cartão amarelo, reclamou e foi expulso. Empate com Lewa na batida e o time de Londres com um a menos para fazer 5 gols. E o Bayern não deu trégua, com Robben aumentando aos 23’, depois de bobeada da zaga. 10 minutos depois, contra-ataque do Bayern com Douglas Costa, fominha, driblou seu marcador e meteu no canto de Ospina. Dois minutos depois, mais um vexame da defesa do Arsenal, Xabi robou a bola e serviu Vidal para meter por cima do baixinho Ospina. E teve ainda tempo pra mais um: Renato Sanches passou Douglas Costa nas costas da defesa e esperou a corrida de Vidal, que colocou pra dentro.

Mais uma vez o Arsenal cai nas oitavas de final da Champions League. E como sempre, fica o questionamento a manutenção de Arsene Wenger no comando da equipe, com tantos anos sem um título de expressão na equipe.

Faz logo essas malas, Wenger

BORUSSIA X BENFICA

Com grande atuação do brasileiro Ederson no último jogo, o Benfica foi a Alemanha tentar defender seu resultado de 1 a 0 em casa. Mas com o Signal Iduna Park lotado como sempre, o Borussia teve paciência pra aplicar uma goleada. O placar foi aberto logo aos 4’, em cobrança  de escanteio de Pulisic, Aubameyang cabeceou forte e Ederson não conseguiu espalmar pra fora, O jogo a partir daí ficou um pouco mais aberto, com boas chances para as duas equipes e parando nos goleiros, mas terminou a primeira etapa com o mesmo placar. Na volta, Cervi quase empatou a partida quando a zaga do Dortmund afastou mal, mas o defensor se jogou a bola e conseguiu salvar. Aos 14’, Pisczczek viu a passagem rápida de Pulisic e lançou o companheiro. A jóia americana só teve o trabalho de meter um toquinho por cima para a bola cair no fundo da rede. Nem deu tempo do Benfica sentir o baque e dois minutos depois, Schmelzer de primeira lançamento que recebeu e Auba aumentou a vantagem. E se perdeu boas oportunidades na ida, Auba soube recompensar na volta: aos 40’, Durm serviu o gabonês e fechou a conta.

Não tão bem no campeonato alemão, essa goleada mostra que o Borussia tem força e qualidade suficiente pra tentar algo mais na Champion, seu fator casa é um grande diferencial da equipe.

Auba se redimiu da atuação em Portugal

BARCELONA X PSG

Nunca duvide do Barcelona. A maior diferença tirada no jogo de volta na Champions League. Partida histórico, contando com a qualidade e força de vontade do Barcelona em reverter o placar de 4 a 0 da ida e avançar e a péssima atuação da defesa do PSG. Boa parte dessa força do Barça veio ao abrir o placar logo aos 3 minutos, quando a defesa do PSG afastou mal e a bola ficou viva no alto da área. Suárez conseguiu cabecear por cima de Trapp e deu a primeira esperança. Os espanhóis então tentavam o gol a todo custo, principalmente com Neymar e Messi em grande dia. O segundo gol veio aos 40’, quando Marquinhos se atrapalhou com a bola na área na hora de cortar, Iniesta insistiu na jogada e conseguiu um toquinho na bola, que bateu em Kurzawa e foi pras redes, contra. Segunda etapa, e 5’ Neymar faz ultrapassagem em Meunier, que escorrega. O brasileiro foi “Mandrake” em ir contra o belga na jogada e sofreu o pênalti, que Messi marcou. Umery promoveu a entrada de di María na partida e a equipe francesa ganhou mais ofensividade: Cavani meteu uma na trave em cruzamento e aos 17’, Kurzawa recebeu na área, cabeceou para trás e Cavani encheu o pé. Os catalães precisavam de 3 gols agora, e não conseguiam mais entrar na área adversária, muito fechada. A esperança veio aos 43’: Neymar cobrou falta no ângulo de Trapp, que nem pulou. Quase que no mesmo minuto, Suárez foi lançado na área e sofreu pênalti, bastante duvidoso, que Neymar cobrou e fez 5 a 1. 5 minutos de acréscimo e o Barça era só chuveirinho na área. No último minuto, cobrança de falta que não deu muito certo, mas a bola sobrou pra Neymar, que driblou o marcador e levantou na área, a bola passou por Piqué e sobrou para Sergi Roberto, a última esperança, empurrar pras redes. 6 a 1 e um Camp Nou, fora o resto do mundo, cheio de gente com o brilho nos olhos. Tremor de magnitude 1 foi registrado no momento. Uma das melhores partidas de Neymar da vida.

Virada histórica que agora demonstra que nunca se deve duvidar desse time do Barcelona, que parecia meio apático na temporada mas que tem um grande estrelismo capaz de resolver qualquer adversidade.

Ney soube ser a estrela que é

Igor Paulinelly

20 anos, estudante de engenharia e natural de Currais Novos/RN. São-paulino e amante do futebol desde Brasil vs Costa Rica às 3 da manhã em 2002. Social: @igorpaulinelly

%d blogueiros gostam disto: