Diário de um treinador #2 – Estreia na segunda divisão e derrota com sabor amargo

Amigos, estou aqui de volta para contar como foi a nossa estreia na 2ª Divisão do Campeonato Municipal de Futebol de Belo Campo. Enfrentamos o Vitória, time tradicionalíssimo na cidade, com a experiência do Sr. Antonio, que está a mais de 20 anos a frente do clube azulino. Nossa equipe, mesmo sem condicionamento físico, foi jogar na raça, em busca de um bom resultado.

Pra começo de conversa, inscrevi 20 atletas na competição, hoje, apenas 13 apareceram, fazendo com que a equipe já se desestabilizasse emocionalmente pela ausência de atletas importantes. Não pudemos contar com o Rubens, que vinha de lesão no joelho, e preferiu se poupar para a próxima rodada, além do Tarcísio e Felipinho, que mesmo machucados, entraram em campo para defender as cores do Celtic.

Às 8:42, começou o jogo. O Vitória veio pra cima já nos primeiros minutos, chegando com facilidade na área, e nossa zaga batendo cabeça. Perderam 3 chances incríveis de abrir o placar, e por sorte nos livramos dessa. Na metade do primeiro tempo o Felipinho sentiu e tive que improvisar o Yrone, que nunca havia jogado na lateral esquerda para atuar na posição; e se saiu até bem! O Tarcísio entrou no lugar do Felipinho, e foi atuar na ponta direita. Estávamos no 4-1-4-1 e o time se manteve equilibrado, até que em um lance dentro da nossa área, nosso goleiro (Victor) deu um carrinho na bola e o juizão marcou pênalti, bem duvidoso por sinal. O atleta do Vitória cobrou, mas houve invasão; na segunda, a bola foi no cantinho e o Victor quase pegou, uma pena!

Tomamos o gol, mas partimos pra cima. No final do primeiro tempo, criamos 4 chances claras de marcarmos, mas por infelicidade não empatamos a partida.

No segundo tempo, entrei com o Victor Aguiar no lugar do Claris. Creio eu, que fiz a alteração cedo demais, já que o time vinha embalado de um bom final de primeira etapa. Criamos pouco, e as falhas começaram a aparecer, dando espaços para o Vitória finalizar.

Depois de cobrança de escanteio, nossa zaga não subiu, e o jogador deles chutou sozinho no alto, fazendo 2×0 no marcador. A partir daí, o cansaço falou mais alto, e o time deles aumentou o placar mais duas vezes, em novamente falhas de nossa defesa. Me começaram a criticar da arquibancada, falando: “Que goleiro é esse, Rafik?”, “Bota o time pra jogar a bola no chão”, pobres mortais, sem saber o que se passa em nossa cabeça antes de cada partida. Não temos treino na semana, e isso acaba dificultando as coisas nos dias de jogos.

Ainda conseguimos diminuir no final, com um belo gol de fora da área do Daniel, arrancando aplausos dos ‘baba ovos’ da torcida, (risos). No final das contas 4×1 pro Vitória e mais uma derrota no campo pra gente. Jogamos bem, mas o físico e algumas falhas fizeram com que perdêssemos a partida. Conversamos no vestiário após o jogo, para tentarmos ver o que erramos e não acontecer novamente.

Agora, é levantar a cabeça e tentar consertar os erros na próxima partida da competição.

Até a próxima!

Rafik Oliveira

Amante de várias modalidades esportivas, trago á tona diversos temas que abordam o cenário nacional, sempre com uma visão diferenciada para cada tipo de situação.

%d blogueiros gostam disto: