Seleção Argentina: um exemplo a NÃO ser seguido

Quer um tutorial de como estragar uma geração promissora de seleção? Basta ver as últimas ações envolvendo a seleção Argentina, que não tem apenas uma das melhores dos últimos 20 anos, mas também tem o jogador que é considerado por muitos um dos melhores da história.

Existem algumas maneiras de fazer isso, três delas são: má administração política, erro nas escolhas de treinadores e problemas com ego dos atletas. Por incrível que pareça, a Argentina conseguiu as três. No Brasil a seleção é comandada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o responsável pela seleção Argentina é a Associação do Futebol Argentino (AFA), não vá se enganando que é apenas em terras tupiniquins que existem problemas na federação, contudo, lá os problemas acabam chegando em um nível mais forte no vestiário da seleção. E o cenário de corrupção e polemicas dos últimos anos tem afetado os hermanos, com jogadores não querendo atuar pelo país em decorrência de divergências com a AFA e treinadores optando por treinar clubes ao invés da seleção, por medo de serem obrigados a tomar algumas atitudes apenas por pressão da federação.

Será que eu consigo consertar essa confusão?

O segundo problema é o erro na escolha de treinadores, a Argentina vem em uma sequência onde não houve nenhum acerto em relação ao comando técnico da equipe, desde Maradona até Bauza, passando por Tata Martino e Alejandro Sabella, olhando simplesmente para o perfil de cada um é fácil perceber por que a seleção não consegue engrenar. O mais atual, Edgardo Bauza vinha de trabalhos questionáveis por São Paulo e o final de sua passagem pelo San Lorenzo, chegou ao comando da seleção apenas pelo motivo de outros treinadores como Simeone e Sampaoli não terem aceitado, pelo menos essa foi a impressão deixada no momento da sua contratação. Agora, após péssima campanha nas eliminatórias, Bauza é demitido e temos uma incógnita na posição técnica da equipe, ao que tudo indica Jorge Sampaoli, atualmente no Sevilla e muito vencedor pelo Chile, deve ser o novo comandante.

O terceiro erro fica por conta da má administração dos egos de alguns craques do elenco, o caso mais grave disso é em relação a atletas que não são convocados por que outros jogadores não aceitam, como Mauro Icardi que faz excelentes temporadas no campeonato italiano pela Internazionale a vários anos e não recebe uma chance por desavenças envolvendo outros atletas do elenco argentino. A geração argentina tem vários craques do meio para frente, e manter todos esses egos dentro do aceitável é tarefa complicada, seja para treinadores quanto para a federação.

Apesar dos últimos fracassos em competições, como os vice-campeonato na Copa do mundo e em duas Copas América, parece que as coisas entraram no ritmo normal na seleção Argentina, as polemicas envolvendo a AFA tem diminuído após Claudio Tapia assumir como novo presidente da federação, com Bauza demitido e a provável contratação de Sampaoli, com a complicada mas eminente classificação para a copa, tudo vai se ajeitando aos poucos para o lado dos Hermanos.

Leonardo Pereira

Estudante de jornalismo e criador de teses sem noção nos momentos vagos. Twitter: @oOutroLeo

%d blogueiros gostam disto: