CANTO DO MANTO #14 – Campeão, mas com pé no chão

Nação, como são bons esses primeiros dias depois de ser campão. Já havia esquecido, visto que estamos há um tempinho sem ganhar um título. E estando no Maracanã, no meio da torcida com meus dois irmãos foi melhor ainda. Que momento!

Todo mundo com a camisa do Flamengo pelas ruas do Rio de Janeiro, sorriso estampado nos nossos rostos e muito recalque no resto da torcida Arco íris. Na televisão, o elenco mostra estar bastante feliz e unido, dando esperanças de um time que vai render frutos, e por frutos, quero dizer títulos. A imprensa já compara o Flamengo com o Barcelona devido ao rendimento no Maracanã e eu digo que eles devem estar loucos: quem é Messi perto de Márcio Araújo arrancando e quase fazendo gol na final?

Brincadeiras à parte, a conquista do título do Cariocão 2017 era uma obrigação por ter o melhor elenco do estado disparadamente. Fluminense vendeu caro as duas derrotas e foi um ótimo adversário. A arbitragem também foi decente, tendo como lance duvidoso nos dois jogos apenas a possível falta de Réver em Henrique no lance que culminou no gol de empate do segundo jogo. Eu daria a falta, muitos outros também. Mas também teve gente que achou lance normal. Não foi importante, o 34ª título seria do Flamengo de qualquer forma.

O ponto positivo da “Semana mais importante do Primeiro Semestre” foi como o Flamengo finalmente demonstrou a tal mentalidade vencedora que eu venho falando há tempos e se impôs ao rival ganhando as duas partidas, sendo a segunda de virada, depois de um primeiro tempo péssimo. Se atuar como jogou no segundo tempo contra o Fluminense, consegue a classificação para Libertadores fora de casa. A torcida tá muito empolgada com o time, mas a classificação tá complicadíssima de se conseguir. Estou esperançoso, mas uma tragédia pode ocorrer e isso será fruto das duas derrotas fora de casa. Jogos que não deveria ter perdido, inclusive.

Como destaques individuais, eu falaria de Guerrero e Everton. Com a ausência do maior armador do time, Diego, o peruano vestiu a camisa 10 e 9 ao mesmo tempo e nas últimas semanas tem feito partidas épicas e jogando o melhor futebol com a camisa rubro negra. Foi eleito o craque do campeonato carioca, foi o artilheiro com dez gols e vem levando o time pra frente com raça e muita disposição. Everton é o motorzinho do Flamengo. Vem jogando demais e mesmo machucado demonstra mais disposição que a maioria dos jogadores do elenco, principalmente os que disputam sua posição. O time é outro sem ele.

Já no “é ruim, mas tá bom” destaco o incansável e lamentável Márcio Araújo que demonstra muita raça e briga com os adversários, com a bola, com ele mesmo, mas está dando conta do recado. Não gosto de elogiar zagueiro, mas a melhora de Rafael Vaz depois de cortar o cabelo ridículo e da competição com Donatti pela posição é de se admirar. Se não fosse ele, o primeiro tempo da final teria sido muito pior e poderia ocasionar em mais gols para o Fluminense.

Essa semana temos a estreia na Copa do Brasil (estarei lá!) e no Brasileirão. Duas competições pesadas para nosso elenco que vai ter que demonstrar sua força. O time tem muito que melhorar, mas temos condições de fazer bonito em ambas as competições. O título é consequência. Vamos juntos, vamos com raça que eles aparecem! Saudações rubro-negras só para quem é o Maior do Rio de Janeiro.

Lucas Farias

Carioca, 25 anos, nem um pouco jornalista, mas apaixonado por esportes, principalmente futebol. Flamengo, Tottenham, Miami Heat e New Orleans Saints.

%d blogueiros gostam disto: