Diário de um treinador #6 – Mudança de postura em campo, mas ainda temos falhas

Amigos, estou de volta para mais um episódio da série. Hoje, contarei sobre como foi a nossa partida pela segunda rodada do campeonato municipal de futebol da segunda divisão.

Enfrentamos o União, time que é um dos fortes candidatos ao título da competição, com muitos jogadores veteranos que atuaram anteriormente em nosso município. Para esse jogo, resolvi mudar a formação, atuando com 3 volantes para melhorar a saída de bola e também aumentar a quantidade de jogadores no meio campo para ajudar na marcação.

O mesmo problema do jogo contra o Vitória aconteceu. Logo no início da partida, nossa defesa bateu cabeça e aos 10 minutos de jogo, já estávamos perdendo por 2×0 no placar. Sorte a nossa que conseguimos reagir rapidamente. Elias recebeu lançamento em profundidade, e enquanto a zaga adversária ficou pedindo impedimento, nosso atacante deu um toque por cima do goleiro, diminuindo o marcador, e dando um novo ânimo pra equipe. Tivemos duas cobranças de faltas quase da intermediária; a primeira o Elias chutou e ela passou raspando a trave, já a segunda, o Tarcísio mandou uma bomba e o goleiro adversário engoliu um peru debaixo das pernas!

Com 25 minutos do primeiro tempo, a partida estava empatada novamente. Eu percebi que eles sentiram os nossos gols, então mandei o time ir pra cima, para tentar a virada e ir para o intervalo na vantagem. Perdemos algumas chances logo em seguida, e a etapa inicial acabou mesmo empatada. Ressalto que aos 30 minutos, tive que queimar minha primeira alteração, tirando o Tarcísio que vinha de uma gripe nos dias anteriores e colocando o Rubens que voltava de lesão no joelho e ainda sim, entrou muito bem na partida.

No intervalo pedi mais apoio ao Claris, já que ele era o segundo volante, mas estava jogando na frente do Matheus que é o nosso armador, e isso estava prejudicando a marcação.

Voltamos para o jogo com a mesma pegada, mas ao longo do tempo, fui percebendo que o lado direito estava praticamente vazio, pois o Claris já não conseguia acompanhar o ritmo da equipe. Coloquei o Alan, que entrou muito bem e ajudou muito na marcação por aquele lado, servindo ao Matheus que puxava os nossos contra ataques. O jogo estava quase terminando e conquistaríamos nosso primeiro ponto na competição, que nos colocaria entre os quatro primeiros dentre os seis do grupo.

O Felipinho e o Isaac tinham que ir trabalhar às 15h, então tive que os tirar, e aí foi o ponto crucial da partida. Coloquei o Vinicius na lateral jogando improvisado e o Kellyomar na zaga. Acho que eles perceberam isso e foram com tudo pela lateral. Coitado do Vinicius, digo com pena dele mesmo que eu tive que colocá-lo numa posição tão difícil. Tomou dois cortes secos pro lado esquerdo da perna; no primeiro, teve uma falta perto da área que resultou no 3×2, por falha de colocação do nosso goleiro, Victor. Na seguinte, Rafael não percebeu que o Igor estava na cobertura e fez um pênalti. A cobrança foi praticamente no meio do gol, e o Victor não pegou, rs. Foi a hora de ouvir da arquibancada “Que goleiro é esse, Rafik?” e eu não sabia se ria ou se chorava. Depois dos lances, dei uma bronca enorme no Victor, pois foram bolas que davam para pegar, mas por falha de colocação acabamos tomando os gols e perdendo por 4×2.

No vestiário, eu também assumi um pouco da culpa, pois deveria ter segurado um pouco mais a equipe e garantido o resultado. Mas todos concordamos que o jogo foi muito melhor em relação ao primeiro, marcamos mais, mas precisamos nos controlar no início do jogo para que não comecemos perdendo o jogo e tendo que ir em busca do resultado.

Nossa partida será daqui 15 dias, mas no próximo domingo faremos um amistoso para tentar ajustar os erros dessa partida.

Até a próxima!

Rafik Oliveira

Sou inovador em tudo que faço, almejando conhecimento e sucesso em minha carreira.

%d blogueiros gostam disto: