GERAL DA MACACA #5 – Reencontre a identidade do time, GK

Fala Macacada, tudo bem?
Não muito, né!? Apesar da vitória frente a Chape e conseguir a reabilitação, o time entrou no modo standby depois de fazer os 3×0 e o jogo se tornou difícil e, por vezes, parecia que poderíamos sucumbir a pressão dos visitantes.
Sem contar a derrota humilhante na quinta-feira, que reacendeu as dúvidas em relação ao elenco. Perder faz parte, mas essa derrota deixou um sentimento amargo e difícil de assimilar.

Kleina faz escolhas questionáveis em suas escalações titulares e nas substituições. Substituição está na regra do futebol e faz parte do jogo, mas 4 jogos seguidos fazer substituições no intervalo, não é comum, muito menos normal. E quinta-feira foram logo 2 com as entradas de Cajá (Fabio Braga) e Emerson Sheik (Wendel). E isso mostra o quanto ele está escalando os 11 titulares de maneira, no mínimo, equivocada.

Como explicar a escalação de Fábio Braga na quinta-feira? Tão incompreensível quanto Nino no meio campo contra o São Paulo.
Gilson Kleina erra sistematicamente em substituições ou mesmo na escalação do time titular.
Tivemos um período de “intertemporada” em Itu que parece, não ter servido de muita coisa. Não se viu alternativas capazes de mudar os jogos (claro que dentro dos limites técnicos do time).

Contra o Galo, Jadson ou mesmo Jeferson eram mais indicados para substituir Wendel, e assim tirar o Atlético de dentro da área da Ponte. Ele optou por Rodrigo e perdemos o combate nas redondezas da área. Resultado, sofremos o empate com 3 zagueiros e 2 volantes em campo.
Contra o São Paulo, inventou Nino no meio com o recém-chegado Léo Artur, Elton e Wendel. O time não se encontrou no primeiro tempo contra o tricolor.
Na quinta-feira, a maior das invenções, Fabio Braga titular. Ele nem sequer entrava no decorrer dos jogos e, de repente, virou titular.
O que parece é que ele está perdido na escalação do time. Antes dessa “intertemporada”, ele tinha mais convicções do que tem agora.

Futebol é simples! Para times como a Ponte, é posicionamento e saídas rápidas em contra-ataques.
Em casa, onde há necessidade de propor mais o jogo, as entradas de Renato Cajá e Emerson Sheik fizeram a diferença e se mostraram importantes na construção dos 3×0 no jogo de ontem.
Ainda teremos retorno de Fernando Bob para qualificar mais o setor criativo do time, mas Fabio Braga e Jadson (que perdeu a titularidade repentinamente) são jogadores para, no máximo, compor elenco.

Que partidas como a de quinta-feira não aconteça mais. Que o foco e aplicação tática, que foi uma das qualidades na chegada de Kleina no Paulista, seja uma constante e assim não desperdiçar ou colocar em risco pontos importantes na competição.

É isso!
Saudações alvinegras.

André Gonçalves

Andre Gonçalves

Ponte Preta desde sempre! Twitter: @andre7goncalves

%d blogueiros gostam disto: