RECANTO DA COLINA #14 – Uma vitória desnecessariamente de seis pontos

Pelo que foi o jogo, pelo placar e pelo sufoco sofrido em casa dá pra projetar que a vitória do Vasco tenha valido seis pontos. Mas é óbvio que essa pressão sofrida no final foi desnecessária. Estamos voltando ao tempo de Adílson Batista: fazer um gol e se segurar na defesa até o jogo acabar.

Diante do último colocado, é claro que o Vasco era o favorito. Nosso time foi escalado para ir pra cima, e o Avaí, cotado para rebaixamento, obviamente que viria para aproveitar uma bola de contra-ataque. E vieram com dupla de zaga reserva ainda. Milton armou bem o time e pensávamos que era uma equipe ofensiva…

Pensávamos… e o início foi assim mesmo. Os dois laterais saindo para o jogo, três homens à frente com Vital pelo meio e Nenê e Pikachu caindo pelas pontas e isolando o Luís Fabiano no ataque. Atrás desse povo todo, somente o Jean para fazer a proteção da dupla de zaga, mas ele logo foi substituído pelo Wellington Risadinha, que cumpriu bem o seu papel.

Ofensividade era o esperado, mas conseguimos tomar pressão do fortíssimo Avaí. Em São Januário, quase levamos gol no final, que faria perdermos os três pontos para o excelente Avaí. Nessas horas, dá até vontade de gritar TEMOS GOLEIRO, pois o uruguaio nos salvou no final, como sempre faz né…

Vitória em casa, três pontos garantidos e entrada no G6, por mais que devamos sair ao fim da rodada, é um sinal de que estamos no caminho certo para a conquista do principal objetivo para esta temporada: os 45 pontos e a manutenção na primeira divisão do Brasileirão.

Nota: a instituição Vasco da Gama atravessa um momento difícil. Brigar não irá resolver, muito pelo contrário. Com essas confusões entre amigos vascaínos, o clube tende a cair ainda mais no fundo do poço. Temos que abraçar o clube independentemente de gestão, pois o Vasco é maior que qualquer uma delas.

O Vasco não é Eurico Miranda ou Julio Brant, o Vasco é um gigante do futebol nacional que passa por um momento difícil e precisa de sua torcida para que saia do buraco. O Vasco não é Otto Carvalho ou Alexandre Campello, o Vasco é uma instituição de futebol que pertence a todos os verdadeiros vascaínos. O Vasco é de todos!

 

GIGANTE desde 1898! #PopularSemSerPopulista

Siga: @Igor_Calazans | Nós nos vemos em São Januário!

– Saudações Vascaínas!

Foto do título da matéria: Divulgação/Paulo Fernandes/Flickr oficial do Vasco

%d blogueiros gostam disto: