RECANTO DA COLINA #19 – Há vida pós-Nenê?

Nenê é um craque, sempre foi e sempre será. Porém sua lesão em 2012 o atrapalhou bastante. Acabou perdendo espaço no time titular do Paris Saint Germain e, incomodado com o banco, preferiu sair do clube e se arrumar pelo mundo fazendo bicos por aí. Passou pelo Catar, ganhando muito dinheiro apresentando um futebol comum e normal, que, na ocasião, era uma novidade maravilhosa para os habitantes desse país.

Depois de um bom tempo atuando no fraco campeonato catariano, o meia teve a brilhante ideia de ir disputar a Premier League, o torneio mais forte do mundo. O West Ham apareceu como opção, contratando o camisa 10. Sem surpresas! Nenê não aproveitou as poucas oportunidades que teve, ficou encostado e saiu do clube sem qualquer tipo de destaque.

Surge o Vasco! Em agosto de 2015, o Cruzmaltino passava por um momento complicado: mais um rebaixamento se aproximava. Agosto, inclusive, foi o mês em que o Gigante da Colina não fez um gol sequer em seus jogos, lamentável! Nenê aparece com status de reforço de peso e, após um tempo passado e cinco derrotas seguidas, começa a jogar bem e a impressionar o torcedor com suas assistências, seus gols e passes precisos.

Infelizmente o Vasco caiu para a Série B, e Nenê continuou no time, o que foi uma notícia excelente para todos nós. Mas o torneio não deixou o meia feliz em jogar futebol e seu rendimento foi caindo rodada após rodada. Alternava entre jogos excelentes e atuações pífias e inúteis. Quando o clube subiu, pensamos em ver nosso craque de volta, mas não foi assim. O que é certo é que Nenê há um bom tempo não vem jogando aquilo que sabe, parece não sentir mais tesão em jogar pelo Vasco. Jogador assim é melhor deixar sair mesmo pra tentar encontrar a felicidade em outro canto.

Em meio a bravatas, mentiras e hipocrisias, Eurico fala algo certo: “Para jogar no Vasco tem que querer jogar no Vasco”. E realmente, atuar em São Januário não é para qualquer um, é só pra quem quer e tem condições pra isso. O meia começou bem, entretanto foi perdendo o interesse pelo time.

Por fim, se Nenê demonstrou vontade de sair do clube, então que saia. Não é um ídolo (há quem chame-o assim), era só mais um encostado que encontrou no Vasco um lugar para reencontrar seu bom futebol – e reencontrou em diversos momentos. Foi bom para ambas as partes sua passagem por aqui, porém a fase passou e hoje Nenê é só mais um meia comum, com futebol que não falta no mercado.

Ficam os agradecimentos pelo que ele fez aqui no Vasco. Ficam os agradecimentos de toda a torcida pelo esforço e dedicação que ele teve enquanto queria jogar em São Januário, no entanto o clube não se chama ‘Nenê da Gama’. É agradecer também pelo tempo em que ele esteve aqui, pelos gols, assistências… Obrigado, Nenê! A torcida vascaína deseja boa sorte em seu término de carreira!

Mas, se confirmada a saída dele, não será o fim do mundo, longe disso… A base vem muito forte com Paulinho, Guilherme e Mateus Vital e, se Milton Mendes buscar por mais experiência no comando do meio de campo, há a opção do Wagner, que é um excelente jogador e que agora sim vai poder jogar mais e com certeza irá ajudar e muito o Vasco da Gama a conquistar seus objetivos em 2017.

 

GIGANTE desde 1898! #PopularSemSerPopulista

Siga: @Igor_Calazans | Nós nos vemos em São Januário!

– Saudações Vascaínas!

Foto do título da matéria: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

%d blogueiros gostam disto: