De quem é a culpa? – Palmeiras

A noite da última quarta (9) foi marcada pela eliminação de mais dois clubes que fizeram um belo planejamento no início da temporada, mas que fracassaram em meio às competições que enfrentaram. Iremos analisar o 2017 de Palmeiras, Atlético-MG e Flamengo, times de grande poderio financeiro no futebol brasileiro, mas que não conseguiram dar o retorno esperado até o momento.

Palmeiras

Vindo de um título brasileiro em 2016, o Palmeiras faria de tudo para que 2017 fosse o ano das glórias dentro clube. Com o grande apoio financeiro da patrocinadora Crefisa, o Alviverde investiu pesado na contratação de alguns jogadores para a temporada. As chegadas de Felipe Melo, Guerra, Borja e William eram tidas como as principais da temporada e que certamente fariam a diferença nos jogos que o clube disputasse.

Eduardo Baptista

Contratado no final do ano passado, logo após a saída de Cuca, a diretoria do clube via no treinador uma visão diferente de futebol. Com um belo trabalho feito em 2016 com a Ponte Preta, Eduardo teria em mãos um elenco que acabara de ser campeão, mas que passaria por algumas reformulações por conta do grande número de jogadores presentes no grupo.

Os jogos vieram, e parecia que tudo iria correr tudo bem. Primeiro colocado em seu grupo no Campeonato Paulista com 25 pontos, o Alviverde enfrentou a equipe do Novorizontino nas quartas e venceu bem, aplicando 3 a 1 fora e 3 a 0 dentro de casa, chegava confiante para o duelo contra a Ponte Preta nas semifinais.

Eliminação Precoce e início de crise

O primeiro jogo contra a Macaca, em Campinas, foi muito a quem do que se poderia esperar do time. Sofrendo 3 a 0, era praticamente impossível reverter o placar, mesmo jogando com o apoio da torcida no Allianz Parque. E assim aconteceu. Com apenas 1 a 0 em casa, o Palmeiras não conseguiu se classificar para as finais do campeonato e ainda viu o seu rival Corinthians, tido no início do ano como a quarta força do estado, ser campeão paulista.

Demissão de Eduardo Baptista

No dia 4 de maio, após derrota fora de casa para o Jorge Wilsterman por 3 a 1, Eduardo Baptista foi demitido do cargo de técnico do Palmeiras. Eduardo realizou 23 jogos, tendo conquistado 14 vitórias, 4 empates e 5 derrotas, com aproveitamento de 66%. A partir da demissão, abriu-se um novo espaço para que outro treinador chegasse à equipe para comandar a partir do início do Brasileirão.

Volta de Cuca ao Palmeiras

O treinador saiu no final de 2016 alegando que precisaria resolver alguns problemas pessoas, mas que dentro de 5 ou 6 meses voltaria ao trabalho. Pela não conquista do Paulistão e vendo um treinador que havia sido campeão no ano anterior, por que não arriscar novamente?

O início de Brasileiro promissor, com uma goleada por 4 a 0 aplicada sobre o Vasco na primeira rodada, daria a entender que a escolha da diretoria tinha sido feita corretamente. Os problemas começaram acontecer mais precisamente no mês de julho, quando o time sofreu uma sequência de jogos literalmente frustrantes contra o São Paulo, Internacional (Copa do Brasil), Coritiba, Atlético-MG e Santos. Num intervalo de seis jogos, a equipe palmeirense foi derrotada em quatro deles, chamando a atenção da imprensa nacional que questionava o trabalho do treinador, que mesmo com uma grande quantidade de jogadores de qualidade no plantel, não conseguia achar o time ideal para embalar no campeonato.

Eliminação para o Cruzeiro na Copa do Brasil

Com uma campanha irregular no Brasileirão, Cuca via nas competições de mata-mata a solução para os problemas acontecidos até então. A primeira partida contra a Raposa, em casa, mais uma vez o time foi surpreendido, quando ainda no primeiro tempo sofreu três gols, criando ali uma barreira a ser quebrada caso quisessem mesmo a classificação. Na segunda etapa, conseguiram o empate de forma incrível, dando a perceber que o jogo de volta no Mineirão seria diferente.

O segundo jogo foi marcado por um gol sofrido nos últimos minutos de partida, quando o Alviverde vencia a partida por 1 a 0 e se classificava com o placar. O gol do lateral Diego Barbosa, de cabeça, ligou o sinal de alerta para o Palmeiras, que teria apenas o confronto contra o Barcelona de Guayaquil como a última esperança na temporada.

O primeiro confronto: Barcelona-EQU x Palmeiras

Na primeira partida, em um jogo truncado, a equipe equatoriana conseguiu abrir vantagem contra o Alviverde, fazendo o placar mínimo e levando uma vantagem considerável para o jogo de volta em São Paulo. Entre uma partida e outra, vários acontecimentos mexeram com os ânimos dentro da Academia de Futebol do clube.

Afastamento e saída de Felipe Melo

Após a eliminação para o Cruzeiro, o Volante de 33 anos demonstrou muita indignação no vestiário pós-jogo, pedindo compromisso e empenho da equipe nos próximos jogos. Segundo informações que circularam na imprensa esportiva, após o discurso, Cuca teria apertado a mão do jogador e dito que não trabalharia mais com ele no elenco palmeirense. Dias após o acontecimento, um áudio vazado na internet, apresentava a voz de Felipe Melo criticando o trabalho do treinador, e afirmando que haveria recebido propostas de outros clubes brasileiros para atuar pelo restante da temporada.

Na terça-feira, 1º de julho, o jogador se reapresentou ao elenco. Ainda pela manhã, o diretor de futebol Alexandre Mattos deu uma entrevista coletiva, onde informou aos jornalistas que Felipe não fazia mais parte dos planos do Palmeiras, e que o atleta iria continuar treinando separadamente dos demais até que uma proposta oficial de um clube aparecesse.

O jogo do ano: Palmeiras x Barcelona-EQU

A noite da última quarta (9) foi o estopim do que seria uma tragédia dentro de casa. Um time muito a quem do que foi planejado no início do ano pela diretoria foi escalado por Cuca. Jogadores como Jean, Moisés, Guerra e Borja estavam no banco, deixando em campo jogadores que não tinham o mesmo nível de confiança com a torcida. O placar de 1 a 0, com gol de Moisés que entrou na segunda etapa, não foi o suficiente, levando a decisão para as penalidades máximas.

Estava 4 a 4 no placar, quando o Barcelona teve nos pés de Damían Diaz, a classificação para a próxima fase. Jailson fez uma defesa no canto direito, dando uma nova esperança para a equipe palmeirense. Nas alternadas, Ayoví fez a primeira cobrança para os equatorianos e acertou; Egídio cobrou para o Palmeiras, e errou. O Barcelona estava classificado às quartas de final da Libertadores.

Resumo

Com quatro competições em disputa (Brasileiro ainda no segundo turno), o Palmeiras não conseguirá levantar nenhuma taça no final da temporada. Falta de planejamento? Troca de treinadores? Inchaço no elenco? Todos esses fatores fizeram com que o Alviverde Imponente não passasse de um mero coadjuvante em 2017. Sendo eliminado de forma precoce em todas as competições que disputou, a equipe não conseguiu se encontrar nesse ano, e espera que 2018 seja diferente para o clube.

Rafik Oliveira

Amante de várias modalidades esportivas, trago á tona diversos temas que abordam o cenário nacional, sempre com uma visão diferenciada para cada tipo de situação.

%d blogueiros gostam disto: