O preço por um espetáculo decente

A situação econômica do Brasil foi um dos temas principais da insatisfação da população nos últimos meses. A chamada “crise” fez com que o poder de aquisição das pessoas diminuísse, e consequentemente afastassem os torcedores dos estádios de futebol. A falta de bom senso dos clubes e, também as notícias que se espalham sobre a violência nos estádios, são alguns dos fatores que tem afastado os torcedores no nosso país.

Para que se tenha uma ideia do tema retratado, fizemos algumas pesquisas e separamos alguns números com os valores de ingresso dos clubes da série A no ano de 2017. O Atlético Paranaense lidera a lista com média de R$ 69,70 por ingress. Em segundo aparece o Atlético Mineiro com R$ 57,75. A partir daí os valores caem ligeiramente, com o ingresso para assistir uma partida do Flamengo na Ilha do Urubu à R$ 53,99 e em quarto aparece o Palmeiras com R$ 42,43. Nas últimas posições aparecem Fluminense, Chapecoense e Vitória com a média dos ingressos inferior a R$ 14,00.

Recentemente numa entrevista dada pelo ex-presidente do Atlético Mineiro e atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil ao jornal El País sobre os custos para se fazer futebol no país, continua rendendo e abrindo os olhos daqueles que acompanham de perto seus clubes. O fato de em um de seus trechos, ter citado as palavras “pobre” e “categoria menos bastarda”, repercutiram e abriram um falatório sobre os últimos gastos com o esporte no Brasil. Embora pareça errado, Kalil já previa isso quando deu um depoimento alegando que isso já aconteceria e com a gastança nos estádios para a Copa do Mundo de 2014 uma hora ou outra, o brasileiro sentiria no bolso o preço que foi pago anteriormente. Aprofundando ainda mais sobre o tema durante a entrevista, Kalil chegou a falar que o futebol brasileiro ficaria no mesmo nível uruguaio, caso os clubes não mudassem o que está se vendo.

A construção das novas arenas e seus altos custos de manutenção, fizeram com que o esporte mais amado do Brasil se tornasse um belo negócio para aqueles que trabalham nos “bastidores” do espetáculo. Outro fator que têm favorecido com essa alta no preço dos ingressos se dá aos altos salários dos jogadores, visto que o futebol de alguns deles não paga nem a metade valor que lhes é concedido ao final de cada mês. Com isso, de alguma forma os clubes tem que bancar essas despesas, e é onde o bolso do torcedor é punido pela má administração das diretorias de futebol.

Com o cenário de aumento exorbitante de preços, cabe, aqui, uma pergunta a se fazer: para onde irão os torcedores apaixonados pelo esporte, já que não podem ir para o estádio de futebol ver o seu clube de coração?

Foto: Paraná Online
Fonte: Fox Sports

 

Rafik Oliveira

Amante de várias modalidades esportivas, trago à tona diversos temas que abordam o cenário nacional, sempre com uma visão diferenciada para cada esporte.

%d blogueiros gostam disto: