UMA RAZÃO PARA VIVER #10 – O lado bom da não-convocação

Na manhã dessa quinta-feira (10), o técnico Tite convocou a Seleção Brasileira para os jogos das eliminatórias contra Equador e Colômbia. Uma das novidades na lista foi a ausência do meia rubro-negro Diego Souza, que tinha sido convocado nas últimas vezes. Em seu lugar, foi chamado o atacante Roberto Firmino, do Liverpool-ING.

Para muitos, a ausência do camisa 87 pode ter sido recebida como surpresa, mas para o torcedor rubro-negro nem tanto assim. É do conhecimento geral que o Sport vem em ascensão no Campeonato Brasileiro, mas quem acompanha o time de perto, como os próprios torcedores e a imprensa local, sabem que essa fase ascendente do Sport é bem dividida em alguns pontos dentro do próprio time e um desses pontos é justamente Diego Souza.

É indiscutível que Diego é o melhor jogador do Sport, aquele com mais recursos técnicos e que em uma bola pode resolver a partida. Porém, o que se vê na prática é bem diferente disso. O camisa 87, por muitas vezes, “se esconde” nos jogos, principalmente quando joga mais adiantado, bem próximo ao atacante André. Como o meia é o jogador mais criativo e, por consequência, o armador da equipe, o Sport perde poder de criação e começa a abusar de jogadas manjadas, como os lançamentos longos para o próprio Diego Souza ganhar no jogo aéreo e passar a bola para algum dos pontas ou até para o próprio André. Esse posicionamento mais avançado se dá por um motivo específico: a maneira que ele é utilizado na seleção brasileira.

Diego Souza precisa voltar a render bem no Sport para que volte a ter oportunidade de vestir a camisa da Seleção.

Quando Diego foi convocado pela primeira vez para a seleção, Tite o chamou para jogar de atacante, como o reserva de Gabriel Jesus, função totalmente diferente da que ele exerce em seu clube. Logo após a última convocação, o técnico rubro-negro Vanderlei Luxemburgo deixou claro que não o utilizaria como ele joga na seleção e que ele é jogador do Sport que serve à Seleção e não o contrário. Entretanto, o que é visto nos jogos é o camisa 87 sempre jogando mais adiantado do que a posição de meia criador requer.

Dizer que o Sport não conseguirá nada se Diego jogar adiantado é um exercício de adivinhação muito arriscado, porém os fatos comprovados nas más atuações do time dentro do Campeonato Brasileiro vão fortalecendo muito essa teoria. Quando o outro meia do time, Everton Felipe, está numa tarde/noite inspirada, o time pode até conseguir jogar bem, mesmo sem seu principal armador participar efetivamente da criação. Mas, como é mais fácil de acontecer e vem sendo recorrente, quando o jovem não consegue jogar bem ou está sendo bem marcado, toda a pouca criação que a equipe teria, vai por água abaixo e o resultado tende muito a ser a derrota.

Ainda teria mais outro escape fora o camisa 97, que seriam as boas atuações do principal volante do Sport, o camisa 21, Rithely. Todos sabem, tanto os mais próximos quanto aqueles que acompanham o Sport de longe, que Rithely é um volante de qualidade e é um dos melhores do país na posição, mas ele vem numa má fase que já dura algumas semanas. Então, a equipe fica realmente em apuros sem Diego na sua real posição.

Com a não-convocação do camisa 87 nessa quinta, pode ser que esse quadro comece a mudar. Diego se destacou ano passado no Sport ao ser artilheiro do campeonato brasileiro, mas ele jogava na sua posição original, como meia. Tite o convocou para ser atacante por suas características, que se encaixam no que o treinador procurava. Foi com o bom rendimento aqui que ele foi chamado pra lá. Então, se já ficou claro que o time não vai bem e, por consequência, o próprio Diego não irá bem se ele jogar mais avançado, cabe a Luxemburgo colocá-lo na posição certa e ele mesmo, dentro dos jogos, saber onde deve atuar para que seu rendimento aumente e também o da sua equipe. Assim, o Sport continuará na sua crescente dentro do campeonato e na temporada, em busca da tão sonhada vaga na Libertadores e do título inédito da Copa Sul-americana e as chances de Diego voltar a estar presente nas próximas convocações da seleção brasileira só aumentam.

Diego Souza jogar como meia é bom para o Sport, para a seleção brasileira e para o próprio Diego, que pode realizar o sonho de estar na lista final para a Copa da Rússia em 2018. #PST

%d blogueiros gostam disto: