O que esperar mais?

A palavra espera significa ter esperança ,estar na expectativa de que algo aconteça. De fato as torcidas de Bahia e Vitória estão ansiosas pela melhora dos seus times de coração. Porém diante de um panorama tão negativo no Campeonato Brasileiro, os dois representantes do futebol baiano na série A estão fadados ao rebaixamento. Nunca houve uma crise tão grande por aqui e o pior é que a cada rodada disputada não se vê uma melhora, ou talvez um alento para fugir de vez da zona de rebaixamento.

No Vitória com a chegada de Vagner Mancini que parece ter virado um especialista do Leão nessas últimas temporadas, o time parecia ter reencontrado os caminhos dos bons resultados, até que desde o triunfo diante da Ponte Preta, o Barradão no qual era visto como um aliado, agora é pedra do sapato do rubro-negro atribuindo suas derrotas pelo fato de atuar em Canabrava, ledo engano. Neste domingo (17) no chamado jogo de seis pontos ,mais uma vez foi decepcionante ver a equipe ser superada pelo São Paulo por 2 a 1. O único responsável por esse resultado catastrófico estava a beira do gramado.

Futebol não é difícil. E parece que Mancini não leu essa cartilha. Poderia ter feito simples e assumir responsabilidades, se colocasse Geferson ou Thalyson na lateral-esquerda mesmo com a desconfiança da torcida. Ora, o jogador pode ter suas limitações técnicas mas se você motivá-lo a possibilidade dele sobrepor sua ausência de qualidade é grande e ele pode vir a fazer um bom jogo. Outro fator é a teimosia em bancar Kieza como titular, que desde a sua chegada ao clube não justifica o investimento feito, o David é muito mais útil ao esquema tático, tem velocidade e ajuda a marcar. Se tem um culpado ,esse se chama Vagner Mancini.

Sabendo que a fase do Vitória não é boa, durante a semana o marketing faz uma campanha intitulada de : “ Caiu na toca já perdeu #VaipracimaLeão. Dentro do Barradão no campeonato são 8 derrotas em 12 jogos, só venceu o Atlético Mineiro e a Ponte Preta em seus domínios e atualmente é o pior mandante da competição. Essa campanha promovida pela diretoria é totalmente enganosa. O torcedor não é besta e merece respeito. Quisessem uma temporada brilhante, poderiam ter sido mais cuidadosos nas contratações no início de 2017. Trazer Cleiton Xavier, Danilinho, Carlos Eduardo são piadas de péssimo gosto.

Do CT Manoel Pontes Tanajura vamos para Itinga e analisar o Bahia. O tricolor vive numa areia movediça. Dificilmente a equipe comandada por Preto Casagrande consegue engatar uma sequência de triunfos. Fora de casa o retrospecto tende a ser muito pior. Longe de Salvador, o Bahia venceu apenas duas vezes, somados a três empates e seis derrotas e sofreu 15 gols. Se fosse contar apenas com os resultados de times visitantes, a posição seria de 17º colocado. Atualmente a equipe está na 16ª posição com 27 pontos e um aproveitamento em torno de 39,4%.

Desde que o torneio adotou a fórmula de disputa em pontos corridos em 2003, o tricolor não consegue almejar as dez primeiras posições e ficou rotulado como uma equipe que briga para não ser rebaixada. A diretoria que tem Marcelo Sant´Anna como presidente, em sua campanha eleitoral e durante esse triênio a frente do clube, apenas fez promessas de uma série A sem sustos para a torcida e de um time mais qualificado. Muitas contratações foram equivocadas, troca de treinador sem nenhuma analise prévia, uma efetivação bastante contestada e baseada na camaradagem do Preto com o elenco, mostrando não ter pulso e escolhendo a lei do silêncio nos momentos mais graves.

Essas são as gestões dos nossos times que vivem num conto de fadas, onde torcedor assiste um filme de terror na tecnologia 3D : Desconfiança, desespero e desalento. O que esperar mais? . O milagre da vida!

Curtas:

– Onde está o departamento de fisiologia do Bahia?. O atacante Rodrigão parece ter ganhado uns quilinhos a mais e o rendimento de menos. Abre o olho, Preto!

– O Bahia atua no esquema 4-2-3-1 com suas variações ao decorrer do jogo. Mas o que notasse é um time descompactado sem triangulações e aceita facilmente o jogo do adversários. Sem Renê Junior, os volantes do Bahia não aproximam quando o tricolor ataca e na hora de se defender deixa o armador adversário ter liberdade pra criar.

– Não adianta mudar local das partidas. O que falta ao Vitória é competência pra ganhar e pronto. É os jogadores assumirem a missão de livrar o clube do rebaixamento a partir do jogo contra o Atlético Mineiro.

– Que Mancini não invente na próxima rodada.

Lucas Cezar

Baiano, publicitário e apaixonado por futebol. Escreve todas as terças-feiras na coluna sobre futebol nacional, com ênfase em Bahia e Vitória.

%d blogueiros gostam disto: