HTE Sobre Rodas #25 – O possível retorno de Robert Kubica à Fórmula 1

(Foto: Lat Photographic)

 

Robert Kubica é um piloto que marcou a minha relação com a Fórmula 1. Na principal categoria do automobilismo mundial, a sua estreia aconteceu em 2006, quando foi contratado na reta final para substituir o veterano Jacques Villeneuve, que estava conseguindo resultados muito ruins na temporada. Sua primeira corrida não terminou bem, acabou sendo desqualificado do GP da Hungria. Duas corridas depois, na Itália, conquistou o 3º lugar, seu primeiro pódio na Fórmula 1.

Mas por que eu disse que foi marcante a sua participação na F1 para a minha relação com o esporte? Em junho de 2007, no GP do Canadá, o polonês sofreu um acidente gravíssimo. As imagens foram chocantes e assustadoras. Apesar de toda a gravidade, Kubica sofreu um leve traumatismo craniano e não teve sequelas. O ponto principal dessa história é que um ano depois do terrível acidente, Robert venceu no Canadá, a mesma pista onde, se não fosse a segurança dos carros da Fórmula 1, provavelmente teria perdido a vida.

Os acidentes pareciam perseguir a vida do polonês. Na pré-temporada em 2011, ele participou de um rali na Itália e acabou sofrendo uma batida feia, o que gerou diversos traumatismos em seu braço direito e nas pernas. Foi até considerada uma amputação da sua mão, mas isso, felizmente, não se fez necessário. Desde então, não retornou à F1.

UMA NOVA CHANCE PARA RECOMEÇAR?

Kubica fez testes para a Renault em 2017 (Foto: Renault / F1 Fanatic)

Seis anos depois, Kubica voltou a pilotar um carro de Fórmula 1. Em junho de 2017 foi convidado pela Renault para um período de testes em Valência, onde obteve ótimos resultados. Apesar da boa relação com a equipe francesa, a oportunidade do recomeço para o polonês pode vir da britânica Williams. Atualmente a escuderia conta com o novato Lance Stroll, canadense que conta com um patrocínio milionário, e o brasileiro Felipe Massa.

A permanência de Massa é a mais incerta e a sua vaga é cobiçada por muitos pilotos que aguardam nova chance na F1, e dentre esses pilotos está Kubica. O polonês e Paul Di Resta, atual piloto de testes da Williams, passarão por um período de testes, de acordo com informações da revista Motorsport Magazine.

SUPERANDO AS LIMITAÇÕES FÍSICAS

Mão direta de Kubica ainda tem sequelas do acidente sofrido durante a disputa de um rail, na Itália, em 2011 (Foto: McKlein)

Kubica sobreviveu a dois graves acidentes, mas isso não quer dizer que seu corpo saiu ileso. Após quase perder a mão na batida que sofreu durante a disputa de um rali, o polonês precisa de adaptações no carro para poder, por exemplo, passar as marchas. Mesmo com essa dificuldade, Robert mostra com seus resultados que ainda pode pilotar em alto nível e isso o faz ser um dos fortes candidatos a retornar às pistas da Fórmula 1.

DESGASTE DE FELIPE MASSA NA WILLIAMS

A manutenção de um piloto experiente ao lado de Stroll é outro fator que pesa a favor de Kubica em uma possível volta a Fórmula 1. Isso porque Felipe Massa, apesar de ser um dos mais experientes do grid atual da categoria, não vem conquistando os resultados esperados. O brasileiro por muitas vezes não tem “sorte” e perde chances de fazer uma boa corrida. Além disso, o novato companheiro de equipe já conseguiu chegar ao pódio, coisa que desde 2015 não é realidade para Felipe.

RETORNO ARRISCADO

(Foto: Getty Images)

Ficaria muito feliz em ver Kubica novamente nas pistas, ainda que isso tire o único brasileiro atualmente no grid de largada da categoria. Mas também consigo observar os pontos negativos. O primeiro deles é o tempo longe da realidade que é a Fórmula 1. São sete anos afastado e muita coisa mudou desde então. O segundo ponto negativo é a diferença entre treinos e finais de semana de corrida. A rotina é totalmente diferente e, por não ter mais condições totais, fisicamente falando, isso pode pesar contra a sua contratação.

Se a Williams contratá-lo, desejo muita sorte e que acidentes não venham a marcar a sua história novamente. Um excelente piloto como Robert Kubica já provou ser merece uma nova chance. E que ela venha na próxima temporada!

Heider Mota

Baiano, 21 anos, estudante de jornalismo e amante dos esportes. Twitter: @heiderzito

%d blogueiros gostam disto: