Os vexames das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018

(Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto)

 

Como acontece algumas vezes, a Copa do Mundo fica sem algumas seleções que não esperávamos que ficariam de fora. Em 2018, na Rússia, teremos três seleções a menos daquelas que eram consideradas “favoritas” à vaga para a disputa do mundial. Holanda, Chile e Estados Unidos ficaram de fora e, se quiserem voltar a disputar a competição em 2022, no Catar, terão mais um motivo para repensar sobre o futebol de seus países.

Leia também: Islândia, o longo caminho para a Rússia

Holanda  Resultado de imagem para bandeira da holanda png

Robben anunciou aposentadoria da seleção holandesa após o fracasso nas Eliminatórias (Foto: Reprodução / Twitter)

Vice-campeã em 2010 e terceira colocada no Mundial de 2014, a Holanda vinha de reformulação, tanto no futebol nacional, quanto em sua seleção. Tivemos algumas surpresas na temporada na Eredivisie (Campeonato Holandês), com o Feyenoord, superando Ajax e PSV, e conquistando o título da competição nacional. Alguns jogadores que foram revelação no campeonato, passaram a ser convocados para a seleção, como Tonny Vilhena, Joël Veltman e Van de Beek, jogadores dos três principais clubes da Holanda.

Nas Eliminatórias, a Holanda estava em um grupo com França e Suécia como principais adversários. O único problema, não esperado pelos holandeses, foi a ascensão de ambos os países no decorrer dos jogos. A França tinha a obrigação de conseguir a primeira colocação, já que em anos anteriores foi capaz de revelar vários jogadores (Pogba, Griezmann, Mbappé, entre outros), e que deram conta do recado. Já a Suécia era a de quem menos se esperava dentre as três citadas.

O balde de água fria para os holandeses aconteceu numa derrota fatídica por 4 a 0 contra a França, fora de casa, e uma vitória da Suécia sobre Luxemburgo por 8 a 0, na penúltima rodada, obrigando a Laranja Mecânica a fazer um placar de 7 a 0 sobre os suecos na última rodada para se classificar. Missão praticamente impossível. No total foram 7 vitórias, 1 empate e 1 derrota, na campanha que eliminou a Holanda pelo saldo de gols. Após a última partida das eliminatórias contra a Suécia, o atacante Robben, de 33 anos, anunciou a sua aposentadoria da Seleção holandesa.

Chile Resultado de imagem para bandeira do chile png

Jara e Bravo observam Gabriel Jesus tirar as chances do Chile de ir à Rússia (Foto: AFP)

Campeã das últimas duas edições da Copa América (2015, e a Copa América Centenário em 2016),  e repleta de grandes jogadores em seu elenco – Bravo, Vidal, Vargas e Alexis Sánchez – o Chile foi uma das decepções nas Eliminatórias da América do Sul. Com a terceira colocação até a última rodada, quando enfrentariam o Brasil fora de casa, os chilenos dependiam apenas de si mesmos para ficar com a vaga no Mundial.

Com resultados não favoráveis aos chilenos, e perdendo por 1 a 0 até o início do segundo tempo, ainda assim se classificavam por terem saldo de gols maior do que o Peru, 5º colocado até então. O problema que atingiu em cheio os comandados de Pizzi, foi a ampliação do placar para dois e logo depois três a zero para os brasileiros. Diante disso, a seleção chilena acabou ficando na sexta colocação das Eliminatórias, com 26 pontos, mas com o saldo gols de negativo de um gol, dois a menos de que a seleção peruana, que acabou ficando com a vaga para a repescagem.

EUA Resultado de imagem para bandeira do eua png

A decepção dos norte-americanos em ficar de fora da Copa de 2018 (Foto: Reprodução / ESPN.com.br)

Empolgado pela nova roupagem da MLS e pela presença de vários craques presentes em seu campeonato, os Estados Unidos viam nisso a chance de se popularizar de vez no mundo do futebol. Havia aqueles boatos de que após sediar a Copa de 94, o país se tornaria uma potência do futebol, mas isso não aconteceu na prática, fazendo campanhas razoáveis para o seu nível nos mundiais seguintes em que participou.

LEIA TAMBÉM: MLS por trás do maior vexame do “soccer” nos EUA?

Desde o início das Eliminatórias da CONCACAF, os EUA eram tidos como favoritos junto ao México para se classificar de forma direta para o Mundial. O que os americanos não esperavam era que Honduras e Panamá, seleções teoricamente mais frágeis, fossem a pedra no sapato de sua seleção.

A campanha norte-americana foi apenas a 5ª dentre as seis seleções que disputaram o hexagonal final. O pior momento vivido foi na última rodada, quando dependiam apenas de um empate contra a lanterna Trinidad & Tobago para se classificarem. O que aconteceu é que acabaram derrotados por 2 a 1, enquanto Honduras e Panamá venceram Costa Rica e México, respectivamente, deixando os Estados Unidos fora do Mundial da Rússia no ano que vem.

 

Rafik Oliveira

Amante de várias modalidades esportivas, trago à tona diversos temas que abordam o cenário nacional, sempre com uma visão diferenciada para cada esporte.

%d blogueiros gostam disto: