Vem de 5: as piores contratações do futebol brasileiro em 2017

Temporada a temporada, as diretorias dos clubes brasileiros investem em muitas contratações que, de início, aparentam ser bons nomes, mas com o passar do tempo, aqueles atletas passam a ser dor de cabeça, tanto para treinadores, quanto para as torcidas. Pensando nisso, separamos as piores contratações feitas no futebol nacional no ano de 2017.

1 – Borja (Palmeiras)

(Foto: Divulgação)

Contratado com status de goleador e autor de 17 gols em 27 jogos com a camisa do Atlético Nacional, Miguel Borja custou e ainda continua custando caro ao Palmeiras. O atleta, desde o início da temporada, já mostrava dificuldades em se adaptar ao futebol brasileiro, e, como todo centroavante vive de gols, na falta deles acabou perdendo espaço. Após alguns jogos e muita insatisfação da torcida alviverde, o atacante passou a ser pouco utilizado, dando lugar a outros atletas do elenco, como Willian Bigode e posteriormente Deyverson – contratado para suprir a necessidade do ataque palestrino. Até agora foram 38 jogos com a camisa do Verdão e apenas oito gols marcados.

2 – Dario Conca (Flamengo)

(Foto: Agência Estado)

Por onde anda o Conca? Tido como um dos principais reforços do Mengão para a temporada, gerando grande empogação entre a torcida, Dario Conca foi contratado para assumir o meio-campo do Flamengo e dar alegrias ao clube carioca. Vindo de lesão, a diretoria Rubro-Negra optou por tratar o atleta em seu CT e colocá-lo à disposição a partir do mês de maio. De lá pra cá, Conca pouco atuou pelo Flamengo, tendo entrado apenas em três partidas, contra o Mesquita (amistoso), Ponte Preta (Campeonato Brasileiro) e Paraná (Primeira Liga). Devido ao dinheiro gasto com o jogador, espera-se que ele possa retornar ao Shangai SIPG, da China ao fim da temporada, que havia lhe cedido por empréstimo ao clube carioca.

Leia também: Por que as contratações milionárias não dão certo no Brasil?

3 – Kazim (Corinthians)

(Foto: Ale Cabral/AGIF)

Outro jogador que foi muito questionando pela sua contratação em 2017 foi o atacante Kazim-Richards, do Corinthians. Vindo de atuações medianas pelo Coritiba na temporada passada, Kazim chegou ao Timão para ser o reserva imediato de Jô. O atacante chegou até a cair nas graças da torcida por ser aguerrido quando entrava em campo, mas com atuações em baixo nível, raramente tem entrado nos jogos do clube paulista, deixando uma verdadeira lacuna quando Jô se contunde ou não está disponível para atuar. Desde a sua chegada, foram 26 jogos – a maioria entrando no segundo tempo – e apenas dois gols marcados.

4 – Jonatan Gomez – São Paulo

(Foto: Erico Leonan)

O meio-campista argentino foi trazido ao Tricolor Paulista pelas belas atuações que vinha fazendo no  Santa Fé-COL. Chegando ao São Paulo, foi logo assumindo a posição de titular, mas a troca de técnicos no meio da temporada e a dificuldade em encontrar um “time ideal” fizeram com que Gomez fosse aos poucos amargando o banco do Tricolor, dando lugar e outros atletas mais rodados como Hernanes e Cueva. Até então fez 10 partidas e não balançou as redes em nenhuma oportunidade.

5 – Muriqui (Vasco)

(Foto: Divulgação)

Mal chegou e foi embora. Assim foi o retorno de Muriqui à São Januário. Contratado para reforçar o ataque vascaíno após liberação do seu antigo clube, FC Tokyo, o jogador de 31 anos pouco atuou pelo clube cruzmaltino em 2017 e retornou ao continente asiático, sem deixar saudades na Colina. Em 12 partidas pelo Vasco, Muriqui não marcou nenhum gol, bem abaixo do que era esperado pela torcida. Atualmente o atleta está atuando pelo Guangzhou Evergrande, da China.


E aí, quais outras contratações decepcionaram no futebol brasileiro na temporada? Qual foi o pior “reforço” que o seu time trouxe esse ano? Deixe a resposta nos comentários!

Rafik Oliveira

Amante de várias modalidades esportivas, trago à tona diversos temas que abordam o cenário nacional, sempre com uma visão diferenciada para cada esporte.

%d blogueiros gostam disto: