Basquete nacional – Brasil estreia nas Eliminatórias e Petrovic mostra uma nova seleção

(Foto: FIBA.com)

A seleção masculina de basquete estreou ontem nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2019, que será disputada na China e essencial para qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano seguinte, Primeira partida sob o comando do treinador croata Aleksandar Petrovic, o Brasil fez valer seu favoritismo e venceu por 86 x 73. Rodando bastante os jogadores em quadra, Petrovic deu mostras de que tudo que falou na coletiva de apresentação será colocado em quadra: Defesa, intensidade ofensiva, transição rápida e variação de jogo quando necessário.

Leia também –> O basquete brasileiro precisa de sérias reflexões

O formato das Eliminatórias não favorece muito. Para entender por completo, sugiro ler o post do Bala na Cesta aqui, que mostra por completo como é o regulamento. Basicamente temos que entender que todo jogo vale. Mesmo que a primeira fase classifique 3 dos 4 integrantes do grupo, os resultados são levados para a segunda e decisiva fase de qualificação. Outro fator complicador são as janelas espaçadas, a maioria em que não poderá se contar com jogadores da NBA e da EuroLeague. Com isso, basicamente teremos na maioria dos jogos uma seleção do NBB com alguns incrementos, além do pouco tempo para esses jogadores treinarem em conjunto.

E esse pouco tempo de conjunto gerou dificuldades ao longo da partida. Para iniciar o jogo, Petrovic optou por Yago, Benite, Alex, Lucas Dias e Anderson Varejão. Na transição, Yago acelerava mas errava nos passes finais, por falta de sintonia com os companheiros. Começou apostanto no espaçamento de quadra com Lucas Dias se posicionando para o chute de três pontos, mas o aproveitamento não era satisfatório. E na defesa, muitos espaços dados por falta de sincronia nas trocas defensivas. Normal para o primeiro jogo.

No segundo e terceiro quarto de jogo o Brasil foi melhorando e encontrando seu melhor ritmo de quadra. Se a bola de três não caia (o aproveitamento nesse lance foi de apenas 21%), o Brasil começava a usar o jogo de garrafão, provocando faltas e aproveitanto a maior estatura dos pivôs, além da força física de Alex sobre os marcadores chilenos. A vantagem chegou a ser de 20 pontos, que foi reduzida no último período para 10, até a cesta final de Lucas Mariano que deu números finais a partida.

Leia também –> Dinheiro nem sempre é sinônimo de medalha

Embora não tenha sido um jogo tecnicamente bom da seleção, deu para perceber as ideias que nortearam o trabalho de Petrovic. E são boas. Com tempo de trabalho, tem tudo para evoluir. Será difícil nas Eliminatórias e por isso é importante que os clubes brasileiros tentem, na medida do possível, emular o sistema de jogo da seleção. O cestinha do jogo pelo Brasil foi Alex, com 14 pontos. Varejão, que não jogava desde fevereiro, também fez bom jogo com 11 pontos e 9 rebotes.

O Brasil volta a quadra segunda-feira, no Rio de Janeiro, às 20h (horário de Brasília) para encarar a Venezuela. O jogo terá transmissão do canal Esporte Interativo.

Marcelo Tadeu Parpinelli

Um cara que gosta de opinar sobre tudo, principalmente daquilo que não conhece e não entende. Aspirante a filósofo nas horas vagas.

%d blogueiros gostam disto: