HOSPÍCIO #116 – Atmosfera de campeão

Se seremos campeões ou não, eu sinceramente não sei. Mas, uma coisa é certa: a atmosfera do Derby foi de time campeão para o lado alvinegro. Aqui quem escreve não é um dos fundadores do HTE Sports, não é a pessoa profissional que eu tento ser quando escrevo sobre outros times, é o torcedor. E eu tive a oportunidade e o privilégio de estar na Arena Corinthians (a imagem da foto destacada é minha, inclusive). O que eu vi, parecia história de filme. Parecia história que eu sempre ouvi do pessoal que viveu o Corinthians nas décadas de 70, 80 e 90.

O Corinthians foi muito Corinthians. Muito. Em todos os sentidos: desde a torcida, até os jogadores. 32 mil pessoas num treino aberto, só isso já dava um indício do que seria o jogo. Lá na Arena, eu presenciei a preparação para a chegada e a chegada do ônibus do Corinthians. Sou capaz de dizer que muitas torcidas podem fazer um gesto semelhante, mas nunca igual ao nosso. No estádio, todo mundo cantando a mesma música. Seja o indivíduo da Gaviões, da Camisa 12, Coringão Chopp, Estopim da Fiel ou apenas um torcedor “comum”, como eu.

É notório que os jogadores sentiram tudo isso. De forma positiva, lógico. Dentro de campo, não tinha bola perdida. Não tinha cansaço. Não tinha bola inalcançável. O Carille mudou um pouco a forma do time jogar. Eu senti que o time veio como 4ª força, como o time que era vice-colocado e precisava alcançar o líder. Tivemos a bola por menos tempo, lançamos mais nas costas da defesa. Isso foi estudado, e foi inculcado nos jogadores. O Carille demonstrou porque o time é líder.

Por tudo isso, é muito leviano colocar a vitória do Corinthians na conta da arbitragem. O lance do impedimento aconteceu por centímetros. Como dizem quando é contra nós: é muito difícil de um lance desses ser visto. E como disse o Dudu após o jogo contra o Atlético-GO: se a arbitragem não viu, a gente não pode fazer nada. O árbitro da partida inverteu diversas faltas, não deu cartões para jogadores do Palmeiras quando necessário. Mas, ninguém vê isso. O lance do pênalti é indiscutível.

O que importa é que venceu quem jogou para vencer, não quem esperou o jogo acabar para ficar chorando. Que fique o mimimi. E se o Corinthians for Corinthians como foi no Derby, desde torcida até jogadores, eu cravo que será campeão. Vai Corinthians

Thiago Cunha Martins

Paulistano, alvinegro, co-fundador e Diretor-geral do HTE Sports. Jornalismo por paixão, Psicologia por vocação. Adorador do futebol e tudo o que o rodeia. Fã curioso da NFL, UFC e eventual seguidor de outros esportes

%d blogueiros gostam disto: