RECANTO DA COLINA #28 – Club de Empates Vasco da Gama

É justo com Zé Ricardo elogiar seu trabalho no Vasco. Também é válido afirmar e reafirmar que o treinador tirou o time da 14ª posição e o colocou colado ao G7, na oitava colocação. Entretanto, como somente de elogios só os tolos sobrevivem, temos de deixar clara vossa insatisfação para com os últimos resultados da equipe, que tem o anseio já exposto de chegar à Libertadores 2018.

O Vasco não tem centroavante. Essa é a verdade. Andrés Rios, que comemora alguns gols em escassos momentos, não é o camisa nove mais indicado para quem tem o campeonato master sul-americano como meta para o próximo ano. Gostando ou não, Luís Fabiano era esse homem. Era um poste? Sim. Mas era um poste mais útil que o grande Rios.

Leia também: RECANTO DA COLINA #26 – Quem diz que torcida não joga, não conhece a do Vasco

“Só se dá valor ao ponto quando perde.” – Milton Mendes

A frase dita acima foi feita pelo nosso antigo técnico, após um empate em 2 a 2 contra o Flamengo. Em algum momento, concordo com Milton. Quando se perde uma partida, aquele gostinho de “poderíamos ter ao menos conquistado um ponto” aparece. Contudo, traduzindo a frase para os dias de hoje, o Vasco pareceu se apegar ao discurso e, por mais que tenha um jogo totalmente favorável a si mesmo, não é capaz de segurar a vitória até o final.

São sete empates em treze jogos com Zé Ricardo. Dentre eles, tropeços bobos contra Sport, Chapecoense, Coritiba, Vitória e, por último, Atlético Mineiro. Não seria de todo ruim para um clube que estivesse visando sua manutenção na Série A. Mas, como o próprio presidente Eurico Miranda adora frisar, o Vasco é time que tem que ir para a Libertadores, e, com esse retrospecto, fica muito mais difícil.

Leia também: RECANTO DA COLINA #27 – Vasco perde jogador fundamental para formação tática

É deprimente observar o número final de finalizações vascaínas ao gol adversário e notar que a equipe possui uma clara deficiência que não consegue ser ajeitada por qualquer treinador. Sem poderio ofensivo, viramos vítimas de si mesmos ao errarmos bolas teoricamente fáceis por falta de técnica. Notoriamente estamos criando chances, porém criar sem ter êxito não vale de absolutamente nada.

Por fim, vale destacar que Zé Ricardo faz um bom trabalho, mas com empate apenas não se chega a lugar algum, ainda mais no afunilado futebol brasileiro, quando ou se luta pela Libertadores ou contra o rebaixamento. Meio-termo não existe!

Observação final: Sobre ontem, 15/11, contra o Atlético-MG, temos de ressaltar que a brilhante atuação do goleiro adversário Victor nos tirou a vitória. Portanto, méritos ao arqueiro por não termos conseguido o segundo e vitorioso gol.

Foto do título do texto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

 

GIGANTE desde 1898! #PopularSemSerPopulista

Siga: @Igor_Calazans | Nos vemos em São Januário!

– Saudações Vascaínas!

%d blogueiros gostam disto: